Inicio
Akershus
Amboise
Angers
Arundel
Audley End
Azay le Rideau
Bamburgh
Beaumaris
Blackness
Blenheim
Blois
Bodiam
Budavari
Caernarfon
Caerphilly
Cardiff
Carlisle
Chambord
Charlottenburg
Chantilly
Chenonceau
Chepstow
Cliffords
Conciergerie
Conwy
Criccieth
Doune
Dover
Edinburgh
Ewloe
Fontainebleau
Frederiksborg
Glamis
Hampt Court
Harlech
Hatfield
Heidelberg
Hever
Hohenschwagau
Knole House
Langeais
Leeds
Linlithgow
London Tower
Neuschwanstein
Newcastle
Norwich
Nottingham
Nymphenburg
Pena
Penshurst
Pierrefonds
Prazsky
São Jorge
Schonbrunn
Scone
Southsea
Stirling
Tonbridge
Urquhart
Versalhes
Villandry
Vincennes
Warwick
Wilanow
Windsor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


Pátio interno de Knole House

Ele é um dos endereços mais famosos da Inglaterra, tem seis séculos de idade e muitas histórias para contar. Mas seu nome, na verdade, não faz jus ao que representa, pois ninguém em sã consciência, poderia chamar este local simplesmente de casa. Mas, curiosamente, este é seu nome oficial: Knole House. Vale lembrar, no entanto, que em fins do século XV, quando sua construção foi iniciada, os conceitos de moradia eram bem diferentes das atuais, tanto para nobres como para plebeus. E embora sua aparência lembre um verdadeiro castelo, Knole foi erguido não com funções defensivas, mas sim para servir de moradia a Thomas Bourchier, arcebispo de Canterbury, o líder espiritual da Igreja Anglicana, equivalente ao Papa entre os católicos.

Como é fácil imaginar para um homem nesta posição, Thomas Bourchier tinha participação ativa em muitos aspectos da vida inglesa, não somente religiosa, mas também política e militar, sendo uma de suas atribuições coroar reis e rainhas. Foi também durante sua gestão que teve início a histórica Guerra dos Roses, período de lutas entre diferentes dinastias pelo trono inglês. A residência de Thomas Bourchier foi construída estrategicamente a maie distância entre Canterbury e de Londres, mas, devido a seu cargo - além de arcebispo, foi designado também 'Lord Chancellor of England' em 1455, não teve muito tempo para curtir sua propriedade. Foi em Knole House que Thomas Bourchier morreu, em 1486.

Com o passar dos anos a propriedade foi sendo aumentada, recebendo aposentos adicionais, jardins, pátios, torres até se transformar numa das maiores casas inglesas, e contar com 365 quartos, 52 escadarias, 12 acessos, sete pátios internos, entre outras benfeitorias, tudo isto rodeado por quatro quilômetros quadrados de bosques e jardins.  

Knole House atravessou tempos relativamente tranqüilos até a chegada da Reforma Anglicana, movimento em que a igreja inglesa se emancipou da igreja romana. Como se sabe, o movimento teve diversas causas, mas é considerada a gota dágua o desejo do monarca Henrique VIII casar-se novamente e ter um filho. Só que para fazer isso ele precisava da prévia autorização do Papa para anular seu prévio casamento com Catarina de Aragão. O problema é que a autorização não vinha...


Aposento interno com decoração contemporânea

Cansado de esperar pela autorização do Papa, Henrique VIII decidiu resolver o assunto à sua própria moda. Acabou com igreja católica na Inglaterra, confiscou suas propriedades e estabeleceu uma nova religião, a Igreja Anglicana Inglesa, com sede em Canterbury, e na qual o rei - não por acaso o próprio Henrique VIII - assumia o papel simbólico de governador supremo da nova igreja, enquanto o o arcebispo de Canterbury passou a ser o líder espiritual da religião recém criada.


Torre da entrada principal

Após implementar suas mudanças Henrique VIII pode finalmente realizar seu intento, que era casar-se novamente para tentar ter um herdeiro ao trono. Ao mesmo tempo o lider máximo da recém criada igreja ganhou uma nova casa, que logicamente, considerando a importância de seu cargo, precisava ser grande. E sim, você adivinhou, ele foi morar em Knole House. Thomas Cranmer era seu nome, e ele teve papel fundamental no processo de anulação do casamento de Henrique VIII, obtendo com isso diversos favores e caindo nas boas graças do rei.

Thomas Cranmer viveu até 1556 e teve participação ativa no processo de implementação da nova igreja anglicana. Enquanto ele esteve à frente da Igreja, Henrique VIII faleceu, e seu filho Edward I subiu ao trono, com apenas dez anos de idade. Como era menor, o poder foi exercido por um conselho regencial, e junto a eles, Thomas Cranmer, sempre em Knole House, sedimentou regras ainda mais rígidas para a nova religião, que incluíam a abolição das missas e reformulação da eucaristia.

No entanto, o jovem rei Edward I tinha a saúde muito frágil e morreu antes de atingir a maturidade, o que causou uma nova reviravolta na história.

Com a morte de Edward subiu ao Trono Mary I, que reverteu todas mudanças feitas por Edward, colocando a Inglaterra novamente sobre jurisdição da Igreja romana e do Papa. Durante este período sua perseguição aos protestantes foi tão intensa que a fez ganhar o apelido de Bloody Mary (Mary sangrenta). Efetivamente, durante seu reinado, cerca de trezentas pessoas foram perseguidas por sua fé e condenadas a morrer na fogueira.

Mas Mary I morreu com apenas 42 anos, durante uma epidemia de gripe que assolou a Inglaterra, em 1558, e como não deixou descendentes, a coroa foi entregue à sua irmã Elizabeth I, filha de Henrique VIII com Ana Bolena. Elizabeth iria tornar-se uma das rainhas mais influentes e respeitadas da história inglesa e  entraria para a história como a Rainha Virgem, por nunca ter se casado. Elizabeth reverteu diversas medidas tomadas por sua irmã Mary, sendo que a mais radical foi reinstaurar a fé protestante na Inglaterra.

Nos décadas seguintes, violentas disputas religiosas seriam travadas por muitas gerações, mas a vontade de Elizabeth prevaleceu e a Inglaterra nunca mais voltou a adotar o catolicismo como religião predominante.

Durante o reinado de Elizabeth I a posse de Knole House foi dada a seu primo Thomas Sackville e daí em diante, o nome Sackville nunca mais deixaria de estar assiciado ao lugar, ao longo de todas as gerações seguinte. Knole House começa então seu período de maios explendor, quando são executados importantes acréscimos no imóvel, notadamente na capela e nos aposentos destinados ao rei. Sim, as mansões da época freqüentemente disputavam entre si a honra de receber como hóspede sua majestade real, e para isto mantinham ou, se necessário, mandavam construir aposentos especialmente projetados para receber o rei ou a rainha.  


Gramados em frente à entrada principal.

Conta-se que uma das tarefas mais difíceis que Thomas Sackville precisou enfrentar, em atendimento a uma ordem da própria rainha Elizabeth I, foi ir até o Castelo de Fotheringay, onde a rainha escocesa Mary, Queen of Scots ( também conhecida como Mary Stuart) estava presa, acusada de traição, para lhe informar que ela seria decapitada.


A influente família Sackville transformou Knole House praticamente em um palácio, e aqui era comum receberem proeminentes figuras políticas e religiosas da época, além de representantes de outras nações e da realeza local. Banquetes, festas e eventos marcantes eram frequentes em seus salões e o local adquiriu uma reputação que poucas outras casas na Inglaterra conseguiram igualar na época. Knole House é, no gênero, considerada ainda hoje, uma das cinco maiores da Inglaterra.

 

Durante os séculos seguintes, Knole House continuou crescendo e recebendo embelezamentos diversos, notadamente durante durante o final do século XVII, quando o proprietário, o 6o Earl of de Sackville (Duque de Sackville) adquiriu finas tapeçarias e mobiliário proveniente de outros palácios. Seu objetivo era transformar Knole House em um verdadeiro palácio, equivalente em luxo às residências reais e pode-se dizer que ele foi bem sucedido em seu intento. Durante o século XVIII, já sob o comando do 3o Duque de Sackville, um novo acervo de arte foi incorporado ao já existente, elevando ainda mais o valor da artístico e histórico da propriedade.

Praticamente nada aqui mudou desde o século XVII e Knole House permanece como lar da família Sackville, os quais ainda ocupam alguns aposentos. Em média, cerca de oitenta mil pessoas por ano visitam a propriedade, e entre os trechos que mais impressionam os visitantes estão a Capela (originalmente a capela particular do arcebispo de Canterbury), o Great Hall (o primeiro salão por onde passam os visitantes atuais, e também o primeiro salão por onde chegavam ao palácio os visitantes do século VVII), a French Library (adornada com diversos quadros e obras de arte), o ambiente conhecido como Poet's Parlour, que por trezentos anos serviu como sala de refeições de Knole House.

No trecho aberto à visitação pública pode-se apreciar uma grande variedade de móveis do século XVII, bem como pratarias, louças, espelhos, peças de arte, tapeçarias, e pinturas, entre outras peças. Se destacam também as três longas galerias adornadas com quadros de antigos membros da família e outros nomes ligados à história deste local. Muitos consideram Knole House como uma verdadeira cápsula do tempo do período Jacobino (período da história britânica que sucedeu á época Elizabetana, e que foi marcado por estilo característico na arquitetura, artes visuais e plásticas). E outros costumam comparar a propriedade a Hampton Court, mas apenas um pouco menor.



Mas independente de toda história e tradição do local, para quem chega aqui hoje, talvez o melhor seja mesmo a emoção de percorrer sucessivos salões e ambientes diversos, bem como escadarias e corredores, num trajeto que em certo ponto nos faz até mesmo perder a noção se estamos indo ou vindo, ou mesmo sem saber onde estamos mais, e que nos dá inevivtalmente, a sensação de viajar de volta no tempo.

Knole House está situada a cerca de uma hora e meia de carro a partir do centro de Londres. Quem preferir também pode ir até lá de trem, partindo da estação Charing Cross e indo até a localidade de Seven Oaks, num trajeto aproximado de noventa minutos. Da estação de Seven Oaks até a entrada de Knole House é uma curta caminhada. O lugar tem estacionamento próprio, no gramado em frente à entrada principal. Quando estivemos lá pegamos uma forte chuva bem na hora que íamos sair, e que nos obrigou a ficar uns quinze minutos sob o pórtico de entrada, esperando passar. Mas, como é normal por aqui, a chuva não durou muito e poucos minutos após o céu já estava azul. E um pouco mais tarde choveu de novo... e logo depois o céu ficou azul de novo..... e assim por diante, afinal, estamos na Inglaterra.

Knole House é administrado pelo National Trust, organização dedicada à preservação do patrimônico histórico do Reino Unido.


Vista Aérea de Knole House
Knole House é, há seiscentos anos, uma casa, palácio, fortaleza e prisão, local freqüentado por nobres, reis e rainhas, cenário de romances, intrigas, complôs, traições e até execuções. Tem, como todos palácios, histórias de fantasmas, curiosidades e lendas que poderiam encher muitas páginas de muitos livros. Mas acima de tudo Knole House é, para os visitantes que agora cruzam seus portões, um lugar fascinante, uma visita ao passado preservado, uma jornada por aposentos, corredores e ambientes que não existem mais em nossos dias e que fazem nossa imaginação e sonhos voar alto. É, em resumo, um passeio perfeito para uma tarde de verão, num dia que, com certeza, nunca mais será esquecido.

 

Todas as músicas de Castelos e Palácios são reproduções de autênticas canções medievais ou renascentistas.
Para interromper a execução pressione a tecla ESC.

Site Oficial: Knole House