Dicas de Londres

Chegada em Londres  de Avião:

Aeroporto de Heathrow: Situado cerca de 20 km a oeste de Londres, é um dos mais movimentados da Europa e possui cinco terminais. Depois de passar pelas formalidades de imigração e pegar sua bagagem, você terá várias opções para chegar ao centro de Londres:

Taxi: Opção mais rápida e cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte de ser levado até a porta de seu hotel, sem se incomodar em pagar mais de 100 libras.

Heathrow Express: Trem expresso ligando o aeroporto até o centro de Londres. O embarque é feito no subsolo do aeroporto, a passagem tem um custo aceitável, e a viagem leva aproximadamente 20 minutos. 

Metrô:  Melhor opção considerando a relação custo x benefício. A linha Picadilly do metrô de Londres tem uma estação no subsolo do aeroporto. O bilhete até o centro é barato, e o trajeto leva aproximadamente 50 minutos.  

Ônibus: Partidas dos terminais 1, 2 e 3.

Aeroporto de Gatwick: Situado cerca de 40 km ao sul de Londres. É um aeroporto mais moderno e espaçoso que Heathrow, embora mais afastado da cidade. Depois de passar pelas formalidades de imigração e pegar sua bagagem, você terá várias opções para chegar ao centro de Londres:

Taxi: Opção mais rápida e mais cara. Deve ser evitada, a não ser que você privilegie o conforte de ser levado até a porta de seu hotel, sem se incomodar em pagar mais de 150 libras.

Gatwick Express: Melhor opção, considerando a relação custo x benefício. Trens expressos, com partidas a intervalos regulares, ligando o aeroporto até a Victoria Station. O embarque é na plataforma anexa ao aeroporto, a passagem tem um preço aceitável a viagem leva aproximadamente 30 minutos.

Trens: Diversos trens que vem do sul da Inglaterra param na estação do aeroporto, numa plataforma ao lado de onde parte o Gatwick Express. O trajeto até o centro é de cerca 35 minutos, e apesar de fazerem algumas paradas adicionais pelo caminho até chegar em Londres, a passagem é barata. Preste atenção para desembarcar na estação desejada em Londres, pois diversas destas linhas seguem viagem para outras cidades ao norte de Londres. Ao comprar o bilhete informe-se em qual estação de Londres você deve desembarcar. Geralmente os trens vindos do sul param nas estações City, Waterloo ou Euston, todas na região central de Londres

Ônibus: Partidas do terminal sul e do terminal norte.

Chegada em Londres de Trem:

Londres tem diversas estações ferroviárias, mas a única internacional, onde opera o Eurostar, ligando Inglaterra e França é a estação de Saint Pancras.

Saint Pancras Station. Situada na Euston Road, próxima à região central e conectada à rede de metrô. Daqui você poderá pegar um táxi até seu hotel.

Estações Ferroviárias de Londres:

Para quem vai seguir viagem para outra cidade, ou simplesmente passear no interior da Inglaterra, seu ponto de partida será um das estações abaixo. Cada estação atende a uma determinada parte do país e todas são conectadas à rede de metrô de Londres.

Victoria Station: Situada na Buckingham Palace Road, estação de metrô Victoria Station.

Euston Station: Situada na Euston Road, estação de metrô Euston.

King's Cross Station: Situada na Euston Road, estação de metrô King's Cross/St. Pancras.

Paddington Station: Situada na Praed Street, estação de metrô Paddington. 

Waterloo Station: Situada na York Road, estação de metrô Waterloo.

Charing Cross Station: Situada em Embankment, estações de metrô Charing Cross e Embankment.

Saint Pancras Station. Situada na Euston Road, estação de metrô King's Cross/St. Pancras

Metrô de Londres

O melhor meio de locomoção na cidade. Foi um dos primeiro sistemas de metrô do mundo. As estações não são modernas, os carros não são amplos, mas o que é importante é que funciona, tem uma pontualidade ótima e atende toda a cidade e subúrbios. Certa vez compramos um passe de sete dias e durante este período aconteceu uma greve de 24 horas. No dia seguinte fomos até um guichê do metrô, apresentamos nossos passes, e como durante as 24 horas de greve tínhamos ficamos impossibilitados de usar o transporte, solicitamos ressarcimento pelo dia de greve. Algum tempo depois depois recebemos o reembolso correspondente a 1/7 do valor que tínhamos pago, como ressarcimento pelo dia em que o metrô esteve em greve. E junto veio um pedido de desculpas pelo incômodo. 

O nome oficial do metrô em Londres é Underground, mas todos se referem a ele como The Tube, pois o formato dos túneis lembra um túnel, ou tubo.  No metrô londrino as linhas não tem números, como na maioria das outras cidades, e sim nomes: Linha Bakerloo, Central, Circle, Northern, Picadilly, District etc, cada uma representada por uma cor diferente. Vale a pena comprar um passe para vários dias, pois para vários deslocamentos é mais econômico que comprar bilhetes individuais para cada viagem.

O metrô de Londres divide a cidade em zonas concêntricas numeradas de 1 (a mais central) à 6 (a mais externa), e ao comprar o passe lhe perguntarão para quais zonas você quer o bilhete. A maior parte das atrações na cidade está nas zonas 1 e 2, por isso um passe para estas duas partes da cidade é suficiente para ir a quase todos lugares. Só compre para as zonas mais externas se você realmente pretende ir até lá. Guarde seu bilhete até sair do metrô, pois também é necessário inserir o ticket na roleta na hora de sair da estação.

Site oficial do metrô de Londres: London Underground

 
Ônibus em Londres 
  Mais do que simplesmente um meio de transporte, os tradicionais ônibus vermelhos de dois andares estão entre as melhores atrações turísticas de Londres, e mesmo que você não precise, não deve deixar deixar de fazer ao menos uma viagem num deles. Os ônibus não tem trocadores nem roletas, e passageiros já devem estar de posse do bilhete antes de embarcar. Estes bilhetes são os mesmo usados para andar de metrô, o que torna ainda mais vantajoso possuir um passe para vários dias. De posse de um destes passes magnéticos, você simplesmente o aproxima da leitora ao embarcar, ouve um bip e pronto, sua viagem está liberada. Pode-se usá-los a vontade, quantas vezes quiser por dia, dentro do período de validade..

O transporte de ônibus serve como complemento da rede de metrô, e as rotas não são muito longas. Todos os pontos da cidade tem mapas, identificando as linhas que servem àquele local e os respectivos horários. Diversos pontos de ônibus tem também painéis eletrônicos, informando qual será o próximo ônibus a chegar, à qual linha ele pertence e o tempo estimado para chegar àquele ponto. Para turistas os mapas de rotas e horários existentes nos pontos podem à primeira vista parecer um pouco confusos, mas nossa sugestão é que você dedique alguns minutos para interpretar e compreender aquelas informações e depois verá que na verdade são fáceis de entender e, principalmente, muito úteis.

Site do sistema de transportes urbanos de Londres, com informações sobre rotas, horários e mapas de linhas: Transport for London.

Mapas diversos sobre as rotas de ônibus na cidade podem ser obtidos em Bus Route Maps.

Os cartões pré-pagos para andar nos ônibus e metrôs são fornecidos pela Oyster, e podem ser comprados em diversos pontos da cidade, como bares, pubs ou algumas bancas de revistas. Se não conseguir encontrar informe-se na portaria de seu hotel qual o local mais próximo onde você poderá comprar um Oyster Card. Ao terminar a vigência de seu fora seu cartão não o jogue fora, basta levá-lo a qualquer destes locais credenciados e adquirir mais créditos.

Táxis em Londres 
  Os táxis de Londres (conhecidos como Hackney carriage), quase todos de cor preta, dão a impressão de pertencer a alguma época do passado. O modelo mais comum pelas ruas é o Austin FX4. Para pegar um taxi basta estender a mão e fazer o sinal, como estamos acostumados. Ao entrar num deles, no entanto, constata-se que a impressão de pertencer ao passado é apenas externa, pois são extremamente confortáveis e silenciosos.

Passageiros viajam no banco de trás e bagagens devem ser colocadas no espaçoso trecho situado entre as pernas dos passageiros e o encosto do banco da frente. O compartimento do motorista é separado da parte traseira por um vidro. Além do tradicional modelo preto também são vistos pela cidade táxis pintados com cores fortes enquanto outro lembram folhas de jornal. Embora o modelo Austin FX4 ainda seja o mais popular, nos últimos anos outros modelos vem se impondo nas ruas, com destaque para o TX1.

Para ser motorista de um taxi em Londres é necessário enfrentar um rigoroso e extenso programa de treinamento, não somente sob os aspectos técnico e mecânico, mas também de capacitação psicológica e conhecimentos gerais. Motoristas tem por obrigação conhecer todas as ruas da cidade, seus principais pontos turísticos e a história de Londres. Após serem aprovados no curso de capacitação e receberem autorização para dirigir, seu desempenho continua sendo acompanhado por dois anos, sendo que durante este período não podem cometer nenhuma falta ou infração. Somente após serem aprovados neste período recebem a autorização definitiva para dirigir um taxi.

Para um grupo de três pessoas, uma corrida de média distância num destes táxis pode sair mais barata que uma viagem de ônibus.

Dirigindo em Londres

Não vale a pena alugar um carro somente para dirigir em Londres, pois o trânsito da cidade é quase sempre lento e intenso. Além do mais, como forma de desestimular o uso de automóveis no centro, a prefeitura cobra de cada veículo uma taxa diária, conhecida como London Congestion Charge, cara até mesmo para os padrões locais. O uso de automóveis na Inglaterra só vale a pena se você pretende sair de Londres, viajar para outras cidades ou conhecer o interior do país.

Ao dirigir lembre que a mão é invertida nas ruas e estradas da Inglaterra, o que quase todo mundo costuma estranhar de início. Mas não se preocupe demais com a mão inglesa. É verdade que da primeira vez que dirigimos por lá não nos sentimos muito a vontade naquelas ruas e estradas de mão invertida, e por isso todo cuidado e atenção é recomendável. No segundo dia ao volante já estávamos bem mais a vontade, e no terceiro dia era como se tivéssemos dirigido lá a vida toda. Ajuda muito o fato de tanto o transito como os motoristas serem de uma civilidade e educação notáveis.

Mas, se você vai mesmo alugar um carro em Londres, pode ficar tranquilo quanto ao trânsito e aos motoristas, pois a civilidade é total. Procure, antes de começar a dirigir, se familiarizar com os sinais de trânsito, placas indicativas, marcações no asfalto e outra normas e particularidades locais. O estacionamento em Londres é caro e não é muito fácil achar vagas nas ruas centrais, principalmente em dias úteis. A melhor e mais segura alternativa para estacionar são os diversos parkings existentes na cidade, sendo que muitos são subterrâneos ou cobertos. Veja uma relação dos principais estacionamentos de Londres em Visit London e NCP

Quem pretende alugar um carro no Reino Unido deve optar por um carro com com câmbio automático, pois assim não precisará passar as marchas com a mão esquerda, o que com certeza vai tornar as coisas mais fáceis. Mesmo assim, ao sentar no volante, será difícil não estranhar a posição do espelho retrovisor, que deve ser olhado por cima do ombro esquerdo, e diversos outros pequenos detalhes. Ajuda muito saber que em quase todas as ruas existem marcações pintadas no asfalto, indicando quais pistas devem ser seguidas para dobrar à direita ou à esquerda, para ir em frente, para acessar determinada estrada, região da cidade, etc. E todo mundo obedece, é claro. Vejas as principais regras e sinais de trânsito vigentes no Reino Unido em Know your Traffic Signs.

Caminhando em Londres
  Pedestres vão perceber que em quase todas esquinas da cidade existem pintadas nas ruas as expressões Look Right e Look Left. Elas tem por objetivo lembrar aos turistas, pouco acostumados com a mão inglesa, a direção em que devem olhar ao atravessar as ruas. Pode parecer desnecessário, mas freqüentemente em cruzamentos com várias vias, turistas ficam desorientados e sem noção de onde vem o trânsito, e estes lembretes pintados no chão ajudam a evitar acidentes.

Para quem vem de outras cidades onde o trânsito infelizmente é selvagem a educação dos motoristas locais pode surpreender. Por exemplo, se um pedestre chegar a uma faixa zebrada de travessia e parar em frente a esta faixa, o motorista que estiver se aproximando irá parar o carro, e esperar que o pedestre atravesse a rua, para somente então prosseguir. Em diversos cruzamentos não existem sinais de trânsito, somente um globo de vidro iluminado. Isto é um aviso que naquele ponto pedestres tem preferência sobre automóveis e assim que você chegar na beira da calçada e olhar na direção do trânsito verá que os carro param e esperam você atravessar.

Melhor parte da cidade para compras e comércio em geral

Como toda cidade grande, Londres tem  muitas regiões diferentes, bairros ótimos com vida comercial independente. Turistas, no entanto, costumam começar sua visita pelo centro, o que corresponde à região conhecida como West End, incluindo as áreas de Leicester Square, Covent Garden, Sharing Cross (cinemas e teatros), Oxford Street, Regent Street e Bond Street, Picadilly Circus (principais áreas comerciais), Mayfair (área nobre, palácios, embaixadas), Soho (clubes, bares), Picadilly (hotéis de luxo, lojas de departamento tradicionais) e outras áreas. Por aqui estão dezenas de restaurantes, hotéis, bares, clubes, centenas de estabelecimentos comercias, pubs, escritórios, sedes de empresas, prédios públicos, embaixadas, shoppings e muito mais.

Nossa sugestão é começar o dia percorrendo a Oxford Street, que pode ser considerada o Centro do Centro.

Onde Fazer uma Refeição.

Pubs

Ao contrário do que alguns pensam, não são somente para beber. Muitos servem ótimos pratos durante todo o dia, com comida quente, sanduíches ou lanches rápidos. Se quiser acompanhar com um chope, peça do tipo lager que é claro, parecido com o que temos no Brasil, e é servido gelado, ou o bitter que é amargo, avermelhado, e vem fora do gelo. Há pubs de todo jeito na cidade, e a maioria é movimentada e alegre, pois as pessoas não vem aqui somente para comer ou beber, mas também para comemorar, papear e jogar conversa fora. Alguns dos pubs mais famosos são:

Lamb and Flag (Covent Garden)

The Red Lion (Picadilly)

Salisbury (perto da Trafalgar Square).

Bunch of Grapes (Brompton Road, perto da Harrod´s. Este é nosso preferido )

Nos pubs geralmente o cliente escolhe seu prato no balcão de refeições, paga e vai para sua mesa. Quando seu prato estiver pronto ele é levado até você. A bebida é pedida em separado e só é servida no balcão de bebidas. Vá até lá, escolha a cerveja pela marca (há uma torneirinha para cada marca), pague e leve para sua mesa. Também há outras bebidas, como  vinhos e refrigerantes. 

Veja muitos outros pubs e escolha o da sua preferência no site Pubs.com.

Restaurantes de Lojas de Departamentos

Diversas lojas de departamento tem por tradição manter restaurantes, freqüentemente no último andar. Quase todas funcionam no sistema de bandejão, ou seja, existem diversos pratos do dia, você aponta para a atendente o que deseja e ela lhe serve um porção. Dizem que a comida inglesa não é boa, mas talvez estas afirmações sejam feitas por experts e profissionais muito exigentes em culinária. Nós, na verdade, não encontramos nada do que reclamar da comida servida na Inglaterra.

Se você deseja um prato saboroso, simples e bem servido não vai se decepcionar. Estes restaurantes em lojas de departamento geralmente oferecem meia dúzia de opções de pratos quentes (fish and chips - frango assado com batas fritas, uma preferência nacional), chicken ou kidney pie (empadão de carne ou de frango), ou ainda rosbife, sendo que os acompanhamentos mais freqüentes são batatas, ervilhas, feijões e outros legumes. Não deixe de pedir por cima do prato o tradicional molho gravy, pois ele é muito saboroso. À tarde estes restaurantes oferecem o tradicional chá das cinco, com chás, cafés, sucos, tortas, doces, pões e os famosos scones.

Sugerimos os restaurantes das lojas da  BHS (Oxford St, quase esquina com Regent St.) e Debenham's.

Redes de Restaurantes

Existem, é claro, centenas de restaurantes e filiais de redes de restaurantes em Londres, desde as tradicionais ao estilo Burger King, KFC, Pizzas e até as étnicas. Lojas de departamentos, como as citadas acima, tem seções onde lanches rápidos são oferecidos. Supermercados da Tesco também oferecem lanches ótimos. Boas redes de cafés, como a Nero, Costa e Starbucks estão em quase todo lugar. Os restaurantes da rede Garfunkels foram nossos preferidos durante muito tempo, mas infelizmente sua qualidade não sobreviveu ao tempo. Por outro lado, a rede Pret a Manger é boa para quem procura uma refeição rápida, tem muitas opções de saladas, light ou com baixas calorias. E quem vai pegar a estrada poderá fazer uma boa e bem servida refeição em qualquer um dos restaurantes das redes Little Chef ou Harvester, quase sempre localizados em trevos ou junções importantes das estradas.

Comida Indiana: A comunidade indiana na cidade é imensa, e restaurantes típicos são encontrados às dezenas. Já experimentamos alguns, mas o que mais gostamos e por isso sugerimos é o King's Cross Tandori (341 Gray's Inn Road, quase em frente à King's Cross Station). Não deixe de pedir o pão indiano (delícia).

Chá das Cinco

Poucas tradições são tão britânicas quanto o chá das cinco, e também tão saborosas. Diversos restaurantes e hotéis da cidade servem, geralmente entre 15 e 19 horas, lanches acompanhados de tortas, bolos, doces, cremes, geléias e claro, chás de todos os tipos.  Nosso preferido é o servido pelo restaurante The Georgian, situado no quarto andar da Harrods. Não deixe de experimentar os deliciosos scones com clotted cream (um tipo de bolinho/pãozinho com creme de leite).

Roteiros Turísticos:

Diversas empresas fazem roteiros turísticos por Londres e arredores, bons para quem não dispõe de muito tempo para conhecer a cidade e quer ter uma idéia geral de Londres ou de atrações próximas à cidade. As empresas mais conhecidas são:

The Original London Sightseeing Tour

The Big Bus Company Ltd

Evan Evans Tours  

Compras:

Lojas de Departamento: Algumas destas lojas foram fundadas há quase 200 anos, e representam tanto para o as tradições do país como o chá das cinco ou os ônibus vermelhos de dois andares. Mesmo que não compre nada, não deixe de visitar algumas.

Harrods. Quase uma catedral de consumo. Tem 330 departamentos distribuídos em vinte mil metros quadrados e seis andares de um prédio belíssimo situado no elegante bairro de Knightsbridge. O lema da loja é: Tudo para todos, em todos os lugares. Mesmo que isto seja um certo exagero, o fato é que a Harrods é um mundo a ser explorado com calma.
Marks & Spencer : Mais ao estilo moderno. Preços acessíveis. Bom supermercado no subsolo.  

Selfridges . Situada na Oxford Street, só perde em tradição e tamanho para a Harrods.

Fortnum & Mason. Elegante, mas muito cara. Vale só para conhecer.

Debenhams.

Liberty.

Roupas

Primark: Preços ótimos, mulheres alucinadas comprando de tudo e saindo carregadas de sacolas. A melhor e maior loja é a da Oxford Street.

H&M: Preços mais altos que os da Primark, mas com artigos ótimos e alguns de bons preços. 

BHs: Preços bons, produtos de qualidade.

CDs, DVDs, LPs, BluRays, Games

 

A melhor loja para quem procura música e vídeos é a HMV, a única dentre as grandes redes que conseguiu sobreviver à passagem do tempo. Antigamente eram várias lojas espalhadas pela cidade, mas atualmente a única HMV de Londres situa-se na Oxford Street 363. Lá ainda é possível encontrar muita coisa boa de rock, rock, pop, indie, eletrônica, world e étnicas, além de clássicos e muitos box de DVDs. Grande variedade de LPs.

Supermercados

Em Londres é comum encontrar em todos os bairros pequenas vendas ou mercadinhos, geralmente com um Indiano no caixa. Quanto às grandes redes de supermercados, as principais redes são:

Tesco: Principal rede do Reino Unido. Tem lojas grandes e lojas ao estilo Express.

Sainsbury's. Mais encontrado fora do centro. Lojas grandes e bem abastecidas.

Marks & Spencer: Na verdade uma loja de departamento, quase todas tem supermercados no subsolo.

Perfumaria , Vitaminas, Cremes, Remédios
Boots, a principal rede do gênero, presente em todo o Reino Unido. Diversas lojas pela cidade.
Museus (Quase todos administrados pelo governo tem entrada grátis. Os particulares cobram taxa de entrada).

British Museum (Imperdível, com destaque para os setores dedicados ao Egito, Grécia e Mesopotâmia).

Museu de Cera de Madame Tussaud (ótimas reproduções de personalidades históricas e atuais).

Victoria & Albert Museum (tesouros, peças históricas, e exposições com objetos antigos de várias civilizações).

Natural History Museum (um dos melhores museus de História Natural do mundo).

Science Museum (dedicado à todos os ramos da ciência e tecnologia).

Transport Museum (todos os tipos de transporte usados em Londres nos últimos 200 anos).

Imperial War Museum (dedicado à história dos conflitos armados,  com destaque para as grande guerras mundiais).

RAF Museum (dezenas de aviões de várias épocas, perfeitamente conservados).

Greenwich Maritime Museum (duas atrações muito próximas: museu marítimo e observatório de Greenwich).

London Dungeon (museu de cera retratando as histórias e torturas da idade média. Indicado para quem tem estomago forte)

Igrejas:

Saint Paul Cathedral. Imensa, onde ocorreu o casamento da princesa Diana. Não deixe de visitar o subsolo, onde estão sepultados vultos famosos da história, como o Almirante Nelson, Duque de Wellington,  Lawrence da Arábia e outros.

Westminster Abbey: Principal da cidade, onde ocorreu o casamento do príncipe William e Kate Midleton. Aqui estão sepultados reis, rainhas e ícones da história inglesa, como Elizabeth I, Mary Queen of Scotts, Shakespeare e outros.

Brinquedos :

Hamley´s: Uma das melhores lojas de brinquedo do mundo, situada na Regent Street. Impossível visitá-la e não se sentir criança novamente.
Bairros / Regiões Principais (dedique ao menos algumas horas para percorrer cada uma destas regiões):

Westminster. Região central, onde estão os símbolos mais conhecidos da cidade, como o Big Ben, Palácio de Buckingham, Parlamento, Abadia de Westminster, St. James Park e Green Park. Nem todos estão abertos à visitação pública, mas você não pode ir a Londres sem vê-los pessoalmente.

Notting Hill. Virou atração turística internacional depois do filme de Julia Roberts e Hugh Grant. Construções pequenas, de fachadas coloridas, ruas estreitas e dezenas de cafés, bares, livrarias, mercadinhos, delicatessen, lojinhas e antiguidade. O centro das atrações turísticas é o mercado de rua que acontece aos domingos, o Portobello Road Market.

Mayfair: Onde moram os ricos e famosos. Mansões, casarões, embaixadas, hotéis luxuosos, parques que só podem ser freqüentados por moradores, lojas chiques e caras, como ao longo da Bond Street.

Covent Garden. Em torno do prédio antigo do mercado histórico - que deve ser visitado aos domingos - estão ruas estreitas com arquitetura de época. Restaurantes, pizzarias, bares, pubs, moda alternativa, lojas de música. Destaque para as ruas Long Acre, Floral Street e Cobbled Neal Street.

Greenwich. Famoso por abrigar o observatório de mesmo nome, e que serve como referência para a hora global e divide o mundo em latitudes leste e oeste. Vá até lá de barco (eles partem do Westminster Pier, em frente ao Big Ben). Além do observatório, onde todo mundo faz uma foto com um pé em cada lado do mundo, visite também o National Maritime Museum, o histórico Old Royal Naval College, o veleiro Cutty Sark, e o parque Greenwich.

The City. Lugar onde Londres nasceu, fundada pelos conquistadores romanos. Atualmente é o centro financeiro da cidade. Prédios altos, executivos apressados, carrões saindo de garagens, bons cafés, poucos turistas. Vale visitar a St. Paul's Cathedral, os mercados  Spitalfields Market e Leadenhall Market (movimentados somente de manhã bem cedo), o Modern Museum of London e o Barbican Centre (complexo de eventos e artes).

Kensington. Área exclusiva e elegante, mesclando prédios clássicos com modernos. Lojas de grife, bons hotéis, restaurantes, bares, pubs e três museus imperdíveis: Victoria & Albert Museum, Natural History Museum e Science Museum.

Knightsbridge. Também uma região exclusiva e elegante, com lojas sofisticadas e de tradição, dentre as quais se destaca o Harrods. Passe aqui por volta das cinco da tarde, suba até o último andar e vá até o Saint George Restaurant, para curtir um delicioso Afternoon Tea à moda inglesa.

Soho: Logo abaixo da Oxford Street. Cult, movimentado e divertido, aqui estão pequenos teatros, lojas alternativas, dezenas de restaurantes e bares, pizzarias, sex shops e pubs. À noite é pouco recomendável para famílias, se é que você me entende...

South Bank. O lado da cidade ao sul do rio Thames. Bem menos turístico que a margem oposta, mas mesmo assim tem diversas atrações que não podem ser esquecidas, como a famosa roda gigante London Eye e o London Aquarium (praticamente em frente um ao outro). Siga caminhando mais uns 700 metros e chegará ao ótimo Imperial War Museum.

Tower Bridge. Onde situam-se a Tower of London e a famosa ponte vizinha Tower Bridge. (Vá até lá de barco,  eles partem do Westminster Pier, em frente ao Big Ben). Vale a pena pagar a taxa para conhecer por dentro o principal castelo medieval de Londres e também pegar os elevadores e subir até a passarela suspensa da Tower Bridge.

Belgravia. Próxima ao Palácio de Buckingham, aqui estão hotéis caros, mansões centenárias e elegantes e muitas embaixadas. Bons restaurantes e pubs.

Camden Town. Informal e sem compromissos, exatamente o contrário da City. Lojinhas simpáticas e barateiras, gente descolada, cafés e bares sempre movimentados, lojas de tatuagens, moda punk, dark e muito mais. Visite o Camden Market e depois embarque numa das embarcações que fazem rotas turísticas pelo Regent's Canal, o canal artificial que corta a parte norte de Londres. Os cruzeiros são oferecidos por diversas empresas, como a London Waterbus.

Chelsea. Já foi o centro da cultura pop e alternativa de Londres, mas hoje lembra mais uma área comercial alternativa, como uma Oxford Street em menor escala. Dezenas de l ojas, boas livrarias, cafés, bares, lojas, butiques fashion e muita gente jovem e animada pelas ruas. Percorra a King's Road, a principal avenida da região.

Picadilly. Em torno da famoso monumento com a estátua de Eros reúnem-se jovens, sentados nas escadas bebendo cerveja. Movimento frenético de trânsito, grandes letreiros luminosos, boas lojas e diversos restaurantes de fast food. Siga depois pela Picadilly até o Green Park.

Abbey Road. Passeio imperdível para fãs dos Beatles. Atravesse a mesma faixa de pedestres que serviu de capa para o último disco dos Beatles, o histórico Abbey Road. Veja o estúdio onde eles gravaram dezenas de canções e leia / escreva uma mensagem no muro em frente ao estúdio.

Mercados de Rua ( Curiosidades, antiguidades, roupas, artigos diversos ou simplesmente se divertir e ver gente).

Portobello Road Market. Em Notting Hill. O comércio acontece ao longo da rua Portobello e o melhor dia é aos sábados.

Camden Markets. Em Camden. Um dos mais variados e divertidos. Ao longo da Camden High Street.

Brick Lane Market: Middlesex Street, aos domingos de manhã. Roupas, frutas e de tudo um pouco. 

Greenwich Market. Em Greenwich. Vá de barco - eles partem do Westminster Pier. De 5a à domingo. Artesanato, artes, presentes. 

Teatros, Música, Shows

Os melhores teatros estão situados em Charing Cross, Shaftesbury e Strand. Para conferir quem está se apresentando onde, ver preços e fazer reservas sugerimos os sites:

Ticket Master UK

Official Theatre

London Theatre

Official London Theatre

Timeout

Aloud

Outros passeios e Programas:

Greenwich (onde fica a linha internacional do tempo, que divide o mundo em longitudes este e oeste -  um bom lugar para fazer a tradicional foto com um pé em cada lado do globo).

London Aquarium, um dos melhores aquários que já visitamos.

Covent Garden (programa de domingo). Antigo prédio onde funcionava um dos maiores mercados da cidade. Reformado, agora é um dos pontos turísticos mais animados de Londres. Aos domingos se transforma numa das principais opções de lazer da cidade, com muita gente, música ao vivo, apresentações teatrais, marionetes, restaurantes, pubs, artesanato e muitos produtos típicos à venda. Não deixe de passar no pequeno restaurante existente na parte central do mercado, onde são servidas as tradicionais batatas assadas à moda Inglesa, com diversos tipos de recheios deliciosos.

London Eye (programa giratório): Roda gigante  com altura equivalente a um prédio de 45 andares. Permindo, num dia claro, ver até 40 Km em volta, uma volta na London Eye é a melhor forma de ver Londres de um angulo privilegiado.

Sites Úteis.

Visit London. Guia Oficial de turismo e Hotéis em Londres.

London Town. Diversas Informações Úteis

London Tool Kit: Diversas Informações Úteis.

Mapa de Londres: Diversas Informações Úteis (em português)

Última Lembrança:

Na Inglaterra as tomadas tem três pinos bem incomuns. Aparelhos levados de outros países, como secadores de cabelos e carregadores de baterias não encaixam nas tomadas inglesas. Compre um adaptador em qualquer loja de artigos de viagens. E não esqueça de confirmar a voltagem de seu equipamento antes de ligá-lo na tomada.