Inicio
Albuquerque
Atlanta
Atlantic City
Bariloche
Boston
Buenos Aires
Chicago
Colonia
Dallas
Houston
Kansas City
Las Vegas
Los Angeles
Miami
Montevideo
Montreal
New Orleans
New York City
Orlando
Ottawa
Philadelphia
Phoenix
Portland
Quebec
Saint Louis
Salt Lake City
San Diego
San Francisco
Santiago
Seattle
Toronto
Valparaiso
Vancouver
Victoria
Washington

 

 

 





 

 

 

 

Construída num local improvável, em meio ao deserto, Las Vegas em poucas décadas transformou-se numa das localidades mais procuradas da América do Norte, um verdadeiro exemplo de sucesso empresarial, turístico e administrativo. É a cidade dos Estados Unidos que mais rapidamente cresce, onde estão os maiores hotéis, os grandes eventos de mídia, as principais convenções, e onde mais se ganha e perde dinheiro em questão de minutos. E a razão por trás disso é o jogo. Vegas é, acima de tudo, uma competente, lubrificada, colorida e dissimulada máquina de tirar dinheiro de nossos bolsos. E para o turista que está ciente disso e sabe se controlar, Las Vegas pode ser muito divertida, um tipo de Disneylândia de luzes néon, onde sempre é carnaval.

O famoso painel “Welcome to Las Vegas”, um dos mais conhecidos ícones da cidade, presente em camisetas, miniaturas e postais, foi criado em 1959. Ele foi instalado ao sul da cidade, numa das avenidas de acesso, dando as boas vindas a quem chega, e nas entrelinhas, parece dizer também: Você está chegando numa cidade diferente de tudo que já viu. Esqueça seus conceitos. Aqui tudo pode acontecer!

   

Se existe um lugar do mundo que foi feito para ser vivido à noite, este lugar é Las Vegas. Ao entardecer as luzes coloridas dos imensos cassinos começam a acender, e Vegas se transforma. Brega para alguns, deslumbrante para outros, o certo é que este lugar é diferente de tudo, algo que a gente precisa ver para acreditar. Dizem por aqui que o que acontece em Vegas, fica em Vegas, ou seja, todas as loucuras e excessos são permitidos, desde que sejam esquecidas ao deixar a cidade. Desde que nunca mais se fale nisso, e se jure que nada nunca nada aconteceu.

Quantos dias ficar em Vegas? Quantos você puder. O luxo e o conforto dos melhores hotéis convidam a gente a esticar as férias ao máximo. O clima característico do deserto, com dias quentes convida a cair nas maravilhosas piscina, muitas delas com ondas artificiais, cascatas, espreguiçadeiras e atenciosos garçons em volta, lhe servindo do bom e do melhor.

As noites frias, por outro lado, são a hora certa para cair na night. As luzes de Las Vegas parecem fazer com turistas o mesmo que as lâmpadas fazem com mariposas. Ficam tontos, siderados, não sabem para que lado ir primeiro, o que fazer primeiro, alegres e eufóricos como crianças em noite de Natal.

 

De uma certa forma, os cassinos de Vegas lembram aqueles antigos concursos de fantasia do carnaval, pois parecem estar sempre competindo entre si pelos prêmios nas categorias luxo ou originalidade. Desde pirâmides egípcias até gôndolas de Veneza. Desde torres espaciais até os arranha céus de New York, a imaginação dos projetistas destes cassinos parece não ter limites. Também em seus interiores, cada detalhe de acabamento é pensado para fazer um turista sentir-se dentro de um mundo à parte, um lugar onde a iluminação é sempre igual, a temperatura é sempre a mesma, e onde o tilintar das coloridas maquinas caça níqueis nunca para, seja dia ou noite, oferecendo a chance a quem passa de se tornar milionário com uma simples aposta. Ao lado, o cassino Luxor, no formato de uma pirâmide egípcia, tendo na frente uma reprodução da Esfinge.

Como uma das cidades americanas que mais cresce, o perfil de Las Vegas está sempre mudando. Já estivemos lá quatro vezes, e em todas encontramos uma cidade diferente. O velho é demolido, simplesmente desaparece. O novo, seja na forma de torres,  prédios fakes, ou qualquer coisa exótica saída da cabeça dos projetistas americanos, surge com rapidez incrível, em qualquer canto da cidade.  Cassinos e hotéis são implodidos, outros surgem enquanto outros são vendidos e trocam de nome, fachada e decoração. Nada por aqui é definitivo, principalmente quando deixa de fazer dinheiro.

 

Quem vai a New York procura pelos museus, teatros e eventos culturais, enquanto quem vai a Orlando procura pelos parques temáticos da Disney e Universal. Já quem vai a Vegas procura pelos Cassinos (ou Casinos, como escrevem os americanos). Quase todos apresentam atrações e eventos suficientes para entreter um turista por dias. São shows diversos, grátis ou pagos, exposições culturais, curiosidades, parques aquáticos ou de animais selvagens, parques de diversões ou circos, reproduções de locais de outros lugares do mundo, restaurantes, bufês, lojas e butiques vendendo artigos exclusivos, populares ou de grife, piscinas cinematográficas, e lógico, salões de jogo maiores que um campo de futebol.

Os principais cassinos da cidade estão situados ao longo da Las Vegas Boulevard, ou simplesmente Strip, como é conhecida a avenida mais importante da cidade.

Ao lado, a torre do cassino Stratosphere, a construção mais alta da cidade e quinta mais alta dos Estados Unidos. Além da bela vista, a torre oferece aos visitantes alguns brinquedos vertiginosos, como uma pequena montanha russa e um Cabum, todos montados no alto da torre.

 

Ao contrário da grande maioria das cidades típicas americanas, onde estacionar no centro é dificil e caro, estacionar em Las Vegas é fácil e grátis. Todos os cassinos tem estacionamentos imensos nos fundos. Você pode optar pelo Valet ou Self Parking. Isto vale tanto para hóspedes de cada hotel como para qualquer motorista. Esta tática de oferecer estacionamentos imensos e grátis faz parte da estratégia dos cassinos de atrair visitantes na esperança que eles deixem lá seu dinheiro. A vantagem disso é que quem vai simplesmente passear pela Strip pode estacionar seu carro no hotel que quiser, sair pela porta da frente, ir onde bem entender, e na volta pegar seu carro sem precisar pagar um centavo pelo estacionamento. Ao lado, uma vista da Strip, trecho norte, onde pode se ver o cassino Wynn, um dos mais luxuosos da cidade, e ao fundo, novamente, a torre do Stratosphere.

 

 

Ao lado, a fachada do Treasure Island, rebatizado simplesmente TI. No lago em frente é apresentado, todas as noites, um dos shows mais concorridos da cidade, o Sirens of TI (Sereias do TI), representando uma luta entre dois galeões, um tripulado por piratas e outros pelas sereias. Durante o show com cerca de vinte minutos de duração, acontecem troca de tiros de canhão (falsos, é claro) entre os dois navios, assim como explosões e incêndios cinematográficos. No final do espetáculo, como era de se esperar, sereias e piratas confraternizam e convidam os turistas a entrarem no cassino para continuar a diversão. O show é realmente incrível, mas para ser ver alguma coisa é recomendável chegar ao lugar com antecedência de uns quarenta minutos, para pegar um bom lugar.

 

O segredo para quem quer testar sua sorte no jogo é estabelecer um limite e respeitá-lo. Como se sabe, em todo cassino quem leva a melhor é sempre a casa, e a longo prazo, todo mundo sai perdendo de lá. Quem quiser jogar e não gastar quase nada pode optar pelos caça níqueis (slot machines) de um ou cinco centavos. Geralmente essas máquinas baratinhas estão situadas no contorno dos salões de jogo. Nelas pode-se passar uma hora ou mais apostando, vendo as luzinhas coloridas girar a sua frente, ouvindo aquela musiquinha simpática, e gastando apenas um ou dois dólares.

 

Ao lado, a torre do Casino Venetian à noite. O Luxor Hotel-Casino (foto 3 da página), é inspirado no Egito dos Faraós. No seu interior há uma exposição permanente sobre o faraó Tutankamon, além de diversas outras atrações relacionadas ao assunto.

Em Vegas é possível iniciar o dia no Egito (cassino Luxor) ou em Camelot (casino Excalibur), almoçar numa ilha dos mares do sul (Mandalay Bay), passear na Ponte dos Suspiros ou em gôndolas pelos canais de Veneza (Venetian), depois ir até a torre Eiffel e Arco do Triunfo e lanchar num bistrot Parisiense (Paris-Las Vegas), dar uma caminhada numa vila pirata do Caribe (Treasure Island), conhecer uma cidade do oriente (Alladin), e terminar o dia esticando num dos bares ou casas de jazz de Nova York ( New York, New York). Uma caminhada pela Strip equivale a uma volta ao mundo em poucas horas. Tem até o cassino Rio, que, ao estilo dos americanos, procura exibir algumas belezas exóticas daquela distante cidade sul americana.

 

Ao lado outra foto do Venetian, desta vez de seu interior. O céu azul é falso, assim como as nuvens.  Tanto a iluminação como a disposição dos prédios foi calculada para dar aos visitantes a sensação de estar passeando a céu aberto pelas ruas de Veneza.

Ocupando uma área imensa, os dois primeiros andares do Venetian são um festival de bom gosto e deslumbramento. Lá estão reproduções muito bem feitas da fachada de algumas construções conhecidas de Veneza, incluindo o Palácio dos Doges, a Basílica de San Marco e até mesmo seus canais, onde é possível dar ainda um passeio de gôndola. Na reprodução da praça central, a Piazza San Marco, há bares, restaurantes e cafés com mesas ao “ar livre”. Também estão lá diversas lojinhas vendendo artigos típicos vindos da Itália.

 

Foto da fachada do Paris–Las Vegas, cassino que, como se pode ver, é inspirado na Cidade Luz. Em sua frente este cassino construiu uma réplica em escala reduzida da torre Eiffel, sendo que o prédio frontal do cassino, ao lado, teve seu projeto baseado na arquitetura do prédio da Opera de Paris.

No interior do Casino Paris–Las Vegas estão diversos ambientes reproduzindo o dia a dia da Cidade Luz, como patisseries, boulangeries, os tradicionais cafés com garçons vestindo aventais longos em preto e branco. Também há restaurantes diversos, lojas oferecendo artigos típicos franceses, etc. O cassino tem ainda um dos melhores restaurantes estilo bufê da cidade, o Le Village Buffet, onde são servidos pratos característicos de diversas regiões da França. Se quiser experimentar, procure chegar lá antes das três da tarde, pois depois disso o bufê passar a cobrar o preço de jantar, mais caro que o preço de almoço, embora o cardápio seja absolutamente o mesmo.

 

Um dos passeios mais divertidos do Paris–Las Vegas é subir até a plataforma superior de sua torre Eiffel. A foto ao lado foi clicada de lá, num dia incrivelmente claro. Em destaque vê-se a Strip, sentido sul. O prédio com reflexos dourados ao fundo é o cassino Mandalay Bay, mais à frente o bico preto da pirâmide do Luxor, e ainda mais à frente o castelo do Excalibur, as torres do New York e bem à direita a torre de apartamentos do Caesars Palace.

Do lado esquerdo da foto podem ser vistas duas piscinas e a torre central, em formato árabe do antigo cassino Alladin (foi implodido, reformado e mudou de nome). A esta hora da manhã, como se pode ver, o trânsito na Strip ainda era tranqüilo, mas à noite a avenida fica lotada de carros, e para se percorrer 500 metros pode-se levar até meia hora. A Strip é aquele lugar da cidade onde todos querem estar, o lugar para ver e ser visto. A avenida tem excentricidades pelas ruas, como passarelas ao ar livre dotadas de escadas rolantes e elevadores com portas de vidro em ambas as extremidades.

 

Por estar situada no meio do deserto, Vegas tem clima quente e seco durante grande parte do ano, por isso uma boa alternativa para fugir do calor é ir de casino em casino, conhecendo e se divertindo com as atrações de cada um. As noites de Vegas costumam ser frias, e um casaco, às vezes, pode ser necessário.

Curiosamente, a famosa avenida Strip, considerada o coração de Las Vegas, não está totalmente situada em Las Vegas... Sua maior parte está dentro do município vizinho de Clark County.

Las Vegas comemorou seu centésino aniversário de fundação em 2005. Desde 1910 o jogo é legalizado na cidade, mas em 1906 já havia sido inaugurado o primeiro casino, o Golden Gate Hotel and Casino.

Na foto ao lado vê-se os canais do hotel Venetian, onde turistas podem passear de gôndola. Mais ao fundo o grande prédio do hotel e cassino Treasure Island e à direita o painel do cassino Aladdin, que infelizmente já foi demolido. Já estivemos em Vegas cinco vezes e nos hospedamos em hotéis diferentes quase todas as vezes. Se você está em dúvida onde ficar sugerimos pesquisar bem, porque custos podem variar muito de um hotel para outro. E se não faz questão do luxo dos super hotéis e cassinos, mas não abre mão de um bom quarto limpo procure alguma coisa nas redes Days Inn ou Travelodge. Já nos hospedamos nos dois e ficamos satisfeitos.

 

Interior do casino Aladdin, quando ainda tinha este nome. O Aladdin era uma construção nababesca, ostentando luxo e requinte em cada detalhe. No andar térreo, além de um imenso salão de jogo, como todos os outros cassinos, o Alladin tinha uma cidade oriental, com ruas, prédios, bares, vendedores de artigos típicos daquela parte do mundo, e ainda por cima um céu artificial, que nos dava a nítida sensação de estar caminhando por Marrakesh ou Casablanca.

Mas, seguindo o estilo de Vegas, onde nada é definitivo e tudo muda constantemente, o Aladdin fechou de novo, desta fez não devido a problemas financeiros, mas sérios problemas financeiros. Foi adquirido por outro grupo, teve a fachada e as gigantescas lâmpadas de Aladin que decoravam sua fachada removidas, recebeu nova decoração e mudou de nome, passando a chamar-se Planet Hollywood Resort and Casino.

Quem estiver interessado em conhecer também o lado "normal" da cidade, afastado dos cassinos e das luzes néon, vai encontrar a pouca distância uma cidade comum, semelhante a qualquer outra de médio porte dos Estados Unidos. Ao nos afastarmos da Strip, encontramos residências, condomínios, supermercados etc. Para compras os melhores pontos são o Boulevard Mall (Maryland Parkway, leste da cidade), Meadows Mall (Valley View Boulevard norte) e Las Vegas Outlet Center (7400 Las Vegas Boulevard sul). Não deixe de visitar também o Walmart Supercenter, situado na 4505 West Charleston Blvd, noroeste do centro.

 

Vista noturna da Strip, entre os cassinos Mirage e Venetian. Embora a hospedagem nestes cassinos hotéis costume ser mais cara que as redes tradicionais de motéis, como Days Inn e Travelodge, freqüentemente são oferecidas pela internet promoções barateando muito as diárias.

Uma curiosidade de Las Vegas é a quantidade de capelas matrimoniais da cidade. Las Vegas é uma das cidades com mais casamentos no país. Estranhamente, parece que os americanos associam o casamento ao jogo. Só não explicam se consideram a cerimônia um evento de sorte ou de azar... Confira uma Capela de Las Vegas. Uma licença de casamento em Las Vegas custa aproximadamente sessenta dólares.

 

Ao lado a fachada principal do hotel e cassino Excalibur, situado na Strip. Construído no estilo de um castelo medieval, sua decoração interna também remete os visitantes àquela época. Restaurantes com mesas ao estilo de rústicas construções da época, armaduras de ferro, trovadores e seus instrumentos medievais cantando pelos corredores, tudo contribui para dar o clima. Visitantes também podem fazer uma foto vestidos como rei e rainha. Tudo meio brega, mas afinal, aqui é Las Vegas, e o negócio é entrar no clima da diversão. Ao mesmo tempo Vegas oferece shows de alto nível, durante praticamente todo o ano. Uma das equipes do Cirque du Soleil está permanentemente se apresentando na cidade. Nomes famosos do entretenimento também fazem constantes apresentações em seus hotéis-cassinos.

 

Se atualmente Las Vegas vive em torno da avenida Strip, no passado o centro da cidade era a Freemont Street, mais ao norte, onde situavam-se os tradicionais casinos The Mint, Golden Nugget e Four Queens. Após a mudança do movimento mais para o sul a Freemont ficou relegada a um segundo plano, entrou em decadência e quase sumiu. Foi quando alguns empreendedores tiveram a idéia de um renascimento da região. A rua foi fechada ao tráfego em 1994, e no ano seguinte reabriu repaginada, com a inaguração da Fremont Street Experience. Ao longo de dois quarteirões foi construída uma cobertura artificial côncava e nesta imensa tela passaram a ser exibidos eventos e shows, especialmente gravados para a nova tela. Os cassinos em volta também foram reformados, receberam nova iluminação e pronto, a Freemont Street entrava no mapa turístico de Vegas.

 

As fontes dançantes do Bellagio já se transformaram numa das atrações mais famosas e concorridas da cidade. Todas as noites uma multidão de turistas se reúne em frente às fontes, para os espetáculos de som e luz coreografados com os esguichos, que acontecem a intervalos regulares desde o por do sol até a meia noite. O show do Bellagio é, dentre os espetáculos grátis ao ar livre, o segundo mais concorrido, só perdendo para os navios de combate do Treasure Island.

Entre os mega-casinos/resorts mais conhecidos de Las Vegas, inaugurados ou ampliados recentemente, estão o Caesars Palace, Mirage, Treasure Island, Planet Hollywood, Excalibur, Luxor, New York New York, Paris Las Vegas, Mandalay Bay, Monte Carlo, Bellagio, Venetian, MGM, Wynn, Palazzo e o complexo City Center.

 

E pensar que tudo isso começou com uma simples maquininha, onde o apostador inseria uma moeda e via as luzinhas do painel girarem freneticamente. Estas maquinas, modernizadas e com feitios, cores e temas diversos estão agora em todo lugar da cidade. As "Slot Machines" estão no correio, postos de gasolina, supermercados, e até mesmo no aeroporto, no saguão onde se pega a bagagem. Enquanto você espera sua mala sair da esteira já pode ir tentando a sorte. E o mais incrível é que em todos estes lugares quase sempre há alguém apostando uma moedinha. O que se nota é que o jogo está entranhado na cidade, em seus habitantes e em grande parte dos americanos que visitam este lugar. Muitas pessoas de idade vem de longe, se hospedam aqui e passam os dias jogando compulsivamente em caça níqueis. Alheias a tudo em volta elas jogam e jogam, na certeza que será a próxima moeda que vai fazer as luzes da máquina acederem, a sirene tocar, e milhares de fichas jorrarem pela boca da colorida máquina.

 

Cada vez que alguém nos pergunta qual cidade americana vale a pena conhecer, Las Vegas fica sempre entre as primeiras sugestões. Nada, nenhum lugar do mundo é igual a ela. Pode-se tentar definir Vegas como uma Disneylândia de adultos, mas isso ainda seria pouco. Vegas é um carnaval sem carros alegóricos e sem samba. São as luzes do reveillon sem a passagem do ano. São os prazeres da vida sem data marcada. É deslumbramento, o ridículo, brega, suntuoso, luxuoso, dinheiro, volúpia, descompromisso. Nós experimentamos tudo isso? Claro que não. Mas curtimos e nos divertimos demais visitando a cidade, pois ela é, acima de tudo, um lugar divertido e impossível de esquecer. Vá com calma, mantenha a cabeça no lugar e aproveite. E lembre, o que acontece em Vegas, fica em Vegas.  

 

 

A música desta página é Viva Las Vegas, gravada por Elvis Presley. Para interromper sua execução clique em X (parar).

Bright light city gonna set my soul
Gonna set my soul on fire
Got a whole lot of money that’s ready to burn,
So get those stakes up higher
There’s a thousand pretty women waitin’ out there
And they’re all livin’ devil may care
And I’m just the devil with love to spare
Viva Las Vegas!
I’m gonna keep on the run
I’m gonna have me some fun
If it costs me my very last dime
If I wind up broke up well
I’ll always remember that I had a swingin’ time
I’m gonna give it ev’rything I’ve got
Lady luck please let the dice stay hot
Let me shout a seven with ev’ry shot
Viva Las Vegas!