Inicio
Alabama
Arizona
California
Florida
Georgia
Idaho
Illinois
Indiana
Iowa
Kentucky
Louisiana
Maine
Maryland
Minnesota
Mississippi
Missouri
Nevada
New Jersey
New Mexico
New York
North Carolina
Ohio
Oklahoma
Oregon
Pennsylvania
South Carolina
Tennessee
Texas
Utah
Virginia
Washington
West Virginia
Wisconsin

 

 

 

 

 




 

 

 

 

Old Man River... O rio com alma. O rio que é quase uma pessoa, e porque não dizer, uma divindade. Para os americanos, o Mississippi não é apenas um curso de água que atravessa metade do país. Ele tem fascinado a America por séculos, participando de sua conquista e de sua história. Já testemunhou dramas, batalhas e paixões. Inspirou inúmeros escritores, clássicos da literatura e melodias inesquecíveis. E até mesmo deu nome a esta parte do país, o estado do Mississippi, descrito pelo escritor William Falkner como "O lugar onde o passado nunca morre".

   

Em nossa visita encontramos aqui uma terra tranqüila, e que, ao contrário de outros estados americanos, não chega a impressionar pela pujança econômica. Sem grandes aglomerações urbanas, o estado do Mississippi é um lugar de espaços generosos, campos, fazendas, agricultura e um inconfundível sabor caipira ao estilo americano. Situado entre a Louisiana e o Alabama, esta região do país é referida como o Sul (the South), embora geograficamente esteja no sudeste. E o termo South carrega fortes implicações econômicas, culturais e sociais. Ao contrário do rico norte (que fica no nordeste) esta é uma região relegada a um segundo plano na história do país. Desde o fim da guerra civil americana o sul luta para reerguer-se, e muitos estados daqui ainda não conseguiram chegar ao mesmo patamar econômico das outras regiões do país.

 

Os problemas do Mississippi foram mais uma vez expostos ao mundo após a passagem do furação Katrina, que não somente arrasou o litoral do estado vizinho Louisiana, mas também fez grandes estragos por aqui e lembrou o que muitos na America preferem não ver, que muitas famílias desta parte do país ainda não foram beneficiadas pelo sonho americano. Até a guerra civil americana (1861-1865), o Mississippi era um dos estados americanos mais ricos, graças à agricultura e agropecuária. Retrato desta época de fartura, conquistada em grande parte graças ao suor dos escravos, são as antigas fazendas, aqui conhecidas como Plantations, ainda preservadas e que recebem muitos turistas. Ao lado, a fachada da imponente Melrose Plantation, situada na cidade de Natchez. Mas depois da guerra civil tudo mudou, e há anos o Mississippi vem amargando o título de estado mais pobre da federação.

 

Em todo o estado do Mississippi existem vinte e nove parques estaduais, lugares onde a natureza foi preservada, ao contrário do norte do estado, onde todas as florestas existentes foram derrubadas para dar lugar a agricultura. Esta região do país sempre foi uma das mais avessas a mudanças, o que fez com que o Mississippi não tenha se modernizado muito, em comparação com os outros estados. Suas maiores cidades são Jackson, Biloxi, Greenville e Hattiesburg, mas o norte do estado é até hoje coberto por grandes plantações de algodão, sendo que a região entre o leste do rio Mississippi. O sul tem sua principal atração ambiental na Desoto National Forest, mostrado na imagem ao lado

 

Além do algodão, pântanos são uma imagem recorrente no Mississippi, notadamente na parte sul do estado. Percorrer estas áreas alagadas em barcos é um programa diferente e original, e às margens das rodovias não é incomum encontrar plaquinhas de propaganda oferecendo aos turistas estes passeios de uma hora de duração.

Para quem prefere programas mais dinâmicos, um local que vale a pena ser visitado é o centro da NASA conhecido como John C Stennis Space Center, situado na cidade de Stennis. Lá turistas encontram exposições sobre a estação espacial internacional, uma reprodução da cabine de comando do Space Shuttle, diversos simuladores de vôos e experiência interativas.

 

Ao lado, uma imagem feita em Jackson, maior cidade do Mississippi e também sua capital, com destaque para o prédio do State Capitol, construído em 1903, que aparece ao fundo.

Jackson é uma cidade pequena, e suas maiores atrações são o Mississippi Museum of Art, Dizzy Dean Museum (sobre a vida de Dizzy Dean, famoso jogador local de baseball) e o Jim Buck Ross Mississippi Agriculture and Forestry/National Agricultural Aviation Museum, um tipo de museu vivo ocupando uma grande área e retratando a vida numa fazenda dos anos 20 e numa pequena cidade interiorana do Mississippi. No local há um trenzinho turístico, produtos típicos do estado, artesanato, e restaurantes entre outras atrações. Jackson tem também ótimos shoppings, como o Northpark Mall, ao norte da cidade, e o Metrocenter Mall, ao sul. 

Visitamos esta parte da cidade num fim de semana, e além de algumas pessoas que participavam de um culto em igreja a curta distância, não havia mais ninguém nos arredores do Capitol. Somente um segurança, que nos acompanhava com os olhos o tempo todo, talvez imaginando o que aquele casal pretendia fazer circulando naquela área deserta do centro da cidade.

Vídeo: Jackon Mississippi numa manhã de domingo

Biloxi é, em termos turísticos no estado, uma das cidades mais lembradas do estado. Situa-se  no litoral, numa área agradável e que tem como um de seus pontos característico o farol que aparece na imagem ao lado. Praias e areias brancas fazem de Biloxi um dos mais populares destinos de lazer do Mississippi. Além do mar, outras atrações da cidade são Casino Beau Rivage (ao estilo dos resorts de Las Vegas), o Maritime and Seafood Industry Museum (como diz o nome, um museu dedicado às coisas do mar) e Mardigras Museum (dedicado ao carnaval americano), ocupando um prédio de cinco andares.

O litoral do Mississipi é diminuto, limitado a uma curta faixa de areia entre os estados de Louisiana e Alabama, mesmo assim tem alguns locais bonitos, e que merecem ser visitados. Neste cenário destacam-se as ilhas de Cat Island e Horn Island, ambas praticamente desertas (imagem abaixo).

 

O noroeste do estado é cortado por um dos pontos mais famosos do estado, o Natchez Trace Parkway, rota histórica que segue o mesmo caminho da antiga trilha percorrida pelos índios. Ela liga a cidade de Memphis (Tennessee) até Natchez, passando pelos montes Apalaches e pelo parque Holly Springs National Forest. A maior cidade ao longo desta rota é Tupelo. Outra área muito popular por aqui situa-se junto ao litoral, na chamada Gulf Coast, mostrada na imagem ao lado. Quem estiver percorrendo esta região deve aproveitar para conhecer também Pascagoula, uma das regiões mais atraentes do litoral, com belas praias (foto ao lado). Pascagoula destaca-se também devido à sua importância histórica na formação do estado e seu local histórico mais importante é Old Spanish Fort. 

 

Barcos movidos a vapor e com rodas de pás na popa, os famosos Steamboats, ainda podem ser encontrados em diversos locais do Mississippi, quase sempre fazendo passeios turísticos ou funcionando como cassinos fluviais. Na época dourada do Mississippi eram estas embarcações que serviam como principal elo comercial entre o litoral e as cidades interioranas do estado, bem como do restante do país. A região costeira do Mississippi, chamada de Gulf Coast, tem cerca de setenta quilômetros de extensão, e já trocou de mãos muitas vezes, tendo sido propriedade da França e Espanha antes de se tornar americana. A melhor época para visitar esta região é durante o festival anual chamado Spring Pilgrimage, quando muitas casas históricas e jardins são abertos à visitação.

 

Pântanos e pantanais parecem inundar toda a região sul dos Estados Unidos, não apenas ao longo do estado do Mississippi, mas também no Alabama e Florida. Estas árvores típicas desse terreno encharcado são muito comuns no sul do estado e na prática constituem uma grande atração turística. Existem diversos passeios turísticos de barco que percorrem estes verdadeiros labirintos aquáticos entre as matas. Em todo o estado há seis áreas consideradas florestas nacionais, uma tentativa de guardar ao menos parte das matas originais do Mississippi. São as florestas de Bienville, Delta, DeSoto, Homochitto, Holly Springs e Tombigbee.

 

A bandeira estadual, mostrada bem abaixo, ainda incorpora o símbolo dos treze estados confederados que deflagraram a guerra civil americana (a cruz azul com treze estrelas) e é praticamente o retrato da sociedade conservadora que ainda ocupa grande parte do estado. Inevitável por aqui lembrar de alguns clássicos do cinema, como Mississippi em Chamas, retratando o problema do racismo na região. Felizmente nada disso vimos por aqui em nossa visita, e as únicas chamas que encontramos foram mesmo as provenientes do sol, quase sempre quente e sufocante. O Mississippi pode não ser uma região rica, mas em termos turísticos tem diversos aspectos interessantes, e é mais uma face de uma America que deve ser conhecida.

 

A música desta página é 'Mississippi Blues'. Para interromper sua execução pressione a tecla ESC.

 


Bandeira do Mississippi