Inicio
Alabama
Arizona
California
Florida
Georgia
Idaho
Illinois
Indiana
Iowa
Kentucky
Louisiana
Maryland
Minnesota
Mississippi
Missouri
Nevada
New Jersey
New Mexico
New York
North Carolina
Ohio
Oklahoma
Oregon
Pennsylvania
South Carolina
Tennessee
Texas
Utah
Virginia
Washington
West Virginia
Wisconsin

 

 

 

 




 

 

 

 


Mapa do Texas em estrada secundária

Muitos anos após nossa primeira visita ao estado do Texas voltamos lá, e logo ao chegar constatamos que nada mais era igual. Com exceção, claro, do deserto e dos chapéus de caubói. Os dois continuam por aqui e são vistos em todos os lugares.

Considerados pelos moradores da costa leste como caipiras de chapéu e botas que só entendem de vacas, os texanos não fazem caso da gozação e se vêem de forma bem diferente. Para eles o Texas é o centro do país, o estado mais importante, mais rico, mais bonito, e onde se preparam os melhores churrascos do país. Para eles, em resumo, o Texas é os Estados Unidos, acrescido de outros 49 estados sem expressão ao redor. 

As duas versões são evidentemente falsas, mas demonstram de forma bem humorada a rivalidade existente entre o Lonely Star State e os demais estados da nação. E um dos indícios mais visível deste orgulho texano são os monumentos como o mostrado na imagem acima, construído à beira da estrada para demarcar o momento em que se entra em território texano. Na verdade Texas sempre foi sinônimo de fartura e dinheiro, sendo que gado e petróleo contribuíram muito para este sucesso.

E nada mais era igual no Texas porque quando estivemos aqui da primeira vez ainda não existia a profusão de impecáveis estradas cortando a região em todas direções, como a Interstate 35 da imagem ao lado. Outra coisa que nos chamou a atenção foi que não se vêem mais as florestas de torres de petróleo que margeavam as estradas, agora substituídas por mais discretas e monótonas bombas de sucção, incessantemente sugando o ouro negro do subsolo. 

Os sinais da prosperidade texana podem ser vistos em todo lugar, nos carrões, residências, estradas, cidades, e indústrias. O que permaneceu quase inalterado foi a indumentária da gente daqui, e continuam fazendo sucesso as botas de cano longo, chapéus de cowboy e a típica gravata Bolo Tie, também conhecida com Gravata de Cowboy.


Auto estrada I-35

O Texas tem mais fazendas que qualquer outro estado americano, e por isso é o lider nacional em cabeças de gado, suínos, ovinos e também na produção de algodão, arroz, entre outros produtos. No Texas está localizada a mais extensa fronteira americana, com o México, e que tem mais de mil quilômetros de comprimento. É conhecido pelos apelidos de Lonely Star State (estado da estrela solitária, em referência à sua bandeira) e Longhorn State (estado do gado de chifre longo, graças ao tipo de gado com chifres longos e curvos, muito comum no estado).


San Antonio: Tower of the Americas

San Antonio foi a primeira cidade que visitamos no Texas. À medida que nosso avião se aproximava do San Antonio International Airport pior ficava o tempo e precisamos dar várias voltas até o piloto achar uma brecha entre as nuvens de tempestade e conseguir aterrissar, seguido pelo alívio geral e palmas de todos os passageiros, marcando aquela nossa chegada ao Texas.

No dia seguinte a chuva já tinha passado e o céu azul convidava a gente a caminhar. De nosso Travelodge situado na esquina da Broadway com 4th St. até o centro era uma curta caminhada e tudo era novidade pelo caminho. Lojas, estacionamentos, prédios comerciais, e como sempre nas cidades americanas, pouca gente a pé. 

Em San Antonio é até possível esquecer que o Texas fica num deserto. A cidade é agradável, arborizada, com bons parques, tem um riacho (San Antonio river) cruzando o centro e todo o conjunto é harmônico a agradável. Outra característica de San Antonio é que lá tudo gira em torno do Alamo ( se você não conhece a história do Alamo leia o texto ao lado da foto abaixo). Existe a Alamo Street, o estádio AlamoDome, e ainda muitas loja Alamo, restaurantes Alamo etc.

A imagem acima foi feita no Hemisfair Park, situado bem no centro da cidade, ao lado de um pombo carregando o globo nas costas, representando a união entre as nações. O monumento foi erguido em 1969, quando San Antonio sediou uma exposição internacional que contou com a participação de 30 países. Ao fundo vê-se a Tower of the Americas, torre com altura equivalente a 75 andares, de cujo mirante de 30 graus tem-se uma vista excelente da Alamo City.

Video: Tower of the Americas

O histórico Alamo é o endereço mais famoso da cidade, e tudo em volta surgiu graças a ele ou em conseqüência dele. Perguntamos a um amigo americano que morava em San Antonio porque o Alamo era tão famoso e sua resposta foi simples e objetiva: Porque lá morreu todo mundo.

A batalha do Alamo foi um evento crucial do conflito conhecido como Texas Revolution (1835). Na época esta região pertencia ao México mas sua população era formada majoritariamente por americanos que se intitulavam Texians e que desejavam criar um estado autônomo.


San Antonio: The Alamo

Para sufocar as pretensões separatistas dos Texians, tropas mexicanas cercaram os revoltosos, que haviam se abrigado na missão Alamo (foto acima), situada próxima da localidade de San Antonio de Bexar (origem da San Antonio atual) e exigiram a rendição de todos. Vendo que não teriam como vencer e não desejando se entregar, os mais de 200 Texians tomaram a decisão de lutar até a morte.

Ao longo do tempo a missão Alamo acabou deixando o lado religioso em segundo plano e passou a ser lembrada mais como um campo de batalha quase sagrado, assumindo um importante papel simbólico não só no Texas mas em todo o país. Hoje em dia o Alamo é o destino turístico mais popular do Texas e sua história já foi contada em inúmeros filmes e livros, com destaque para a produção The Alamo, estrelada por John Wayne, em 1950. Também sempre associado à saga do Alamo é o herói americano Davy Crockett.

Vídeo: Alamo e Riverwalk


San Antonio River

Menos famoso que o Alamo mas em compensação mais agradável de percorrer e de memória mais light é Riverwalk, como é conhecido o trecho que margeia o San Antonio River ao longo do centro da cidade. Rodeado de restaurantes, bares, lojinhas e ainda cascatas o Riverwalk é uma daquelas criações turísticas de americanos que deram certo e caem logo no gosto dos visitantes. Pode ser percorrido a pé ou então a bordo de barcaças como as que aparecem na foto ao lado.

O Texas é o maior produtor nacional de gás natural e petróleo, e responsável por aproximadamente metade da produção dos mesmo. Também é o líder nacional na produção de sal, magnésio e gás hélio.

Ao lado uma imagem de Austin (óstin, pela pronúncia local), a capital estadual. Em primeiro plano uma imagem de George Washington e ao fundo o marco arquitetônico mais importante e conhecido da cidade, a torre central da University of Texas (UT para os íntimos). Toda vez que a University of Texas ganha um importante jogo de futebol esta torre de 27 andares é iluminada de laranja, a cor oficial da UT.

O prédio inaugurado em 1937 era uma visita obrigatória de todos os turistas da cidade, principalmente seu mirante, de onde se podia ver toda Austin. No entanto, em 1966, num episódio que traumatizou o país, Charles Whitman foi até lá com uma arma de longo alcance e começou a disparar em todas as direções, matando 16 pessoas e ferindo outras 19. Após o incidente a plataforma de observação da torre permaneceu fechada ao público por décadas, sendo reaberta à visitação somente há pouco tempo.

Video: Visitando a UT


Austin: University of Texas

 

A cidade recebeu o nome como homenagem à Stephen Austin, considerado o Pai do Texas. Entre as atrações locais merecem destaque o Republic of Texas Museum, que através de suas exibições resgata uma parte da história do estado. Visite ainda Mount Bonnel, o ponto mais elevado (240 metros) de Austin, de onde se pode apreciar grande parte da cidade e por isso é um local freqüentemente escolhido por moradores para piqueniques em dias de sol. E quem gosta de cavernas não vai se decepcionar visitando Inner Space Caverns, situada ao norte da cidade.

Outros pontos turísticos de Austin são o museu George Washington Carver Museum, passeios de trem na Austin Steam Train e ainda o Texas Military Forces Museum, que preserva artefatos militares de várias épocas.

Curiosidade: Um dos maiores bailes de carnaval brasileiro no exterior acontecem em Austin, sendo que há mais de trinta anos o grupo Samba Party faz sucesso na capital texana.

Galveston

Banhado pelo Golfo do México, nem só de desertos vive o Texas. O estado também tem suas praias, se bem que para quem vem de um país como o Brasil, as praias texanas não possam ser consideradas exatamente deslumbrantes. Entre as cidades praianas destacam-se Galveston, localizada a cerca de duas horas de carro de Houston. Na verdade Galveston situa-se numa estreita ilhota ligada ao continente por uma ponte. Sua praia tem 51 quilômetros de extensão e costuma ficar lotada no verão. Mas mesmo que sua visita seja fora da temporada vale a pena visitar a mais famosa atração local, Moody Gardens, complexo com várias atrações, inclusive uma floresta tropical situada dentro de uma pirâmide de vidro. A imagem ao lado é da avenida litorânea da cidade, e mostra o tradicional Flagship Hotel, construído sobre as águas.

Galveston foi praticamente destruída em 1900 por um furacão, e por estar situada numa região onde estes fenômenos são frequentes, foi obrigada a aprender a conviver com o perigo. Outras informações sobre a cidade no site Galveston.

Nem todos os texanos gostam de admitir que sua terra é um deserto, e alegam que tecnicamente somente a metade oeste do estado é muito árida e o sul do estado teria até mesmo uma clima úmido. Pode até ser verdade, mas o fato é que, qualquer pessoa que viaje pelas estradas do Texas vai ver pelas janelas do carro, na maior parte do tempo, um terreno como o da imagem ao lado, uma mistura de solo cinza com arbustos secos, cactos e rochas. Em termos turísticos isto não é nenhum demérito, já que o deserto também tem seus atrativos. Por isso mesmo, quem aprecia roteiros alternativos, percorrer trilhas, montar a cavalo ou praticar canoagem vai apreciar regiões como Lake Amistad ou Black Gap, situadas próximas a Rio Grande, o curso de água que faz a fronteira entre Estados Unidos e México. 


Interior do Texas: Deserto

O estado do Texas é o de maior extensão territorial dos Estados Unidos, e foi o único a ser admitido na União (os 50 estados que formam o país) a ter o direito de permanecer com seu território original, sem ser ser divido em estados menores. Foi o vigésimo oitavo estado a entrar na União. O vocábulo Texas tem origem indígena, e originalmente significa 'Amigo'.


Interior do Texas: Bomba de petróleo

Ao lado outra imagem freqüente por aqui: Bombas de petróleo. A história do petróleo no Texas começou no início do século 20, quando pela primeira vez jorrou óleo do poço Lucas1, situado na pequena localidade de Beaumont, sudeste do estado. Nos anos seguintes sondas de petróleo surgiriam às centenas, transformando por completo a vida das pessoas e a economia local. Novas cidades nasceram, assim como grandes empresas que mais tarde iriam se transformar em multinacionais, empregos foram criados e os impostos sobre o óleo extraído iria beneficiar muito a economia do Texas e modificar a vida de seus habitantes. Hoje em dia as florestas de torres de prospecção de petróleo já foram desmontadas, pois já se sabe onde está o petróleo. Em seu lugar estão agora bombas como esta, funcionando 24 horas por dia.

 


Antigo campo de petróleo no Texas

 

Dallas é praticamente a cidade símbolo do Texas. Se já era famosa antes, após a série de TV Dallas, contando as aventuras de J.R. Ewing e suas armações na indústria de petróleo, todo mundo que vai ao Texas quer conhecer Dallas.

Importante centro econômico do Texas, a cidade forma, junto com a vizinha Forth Worth, um pólo destacado no ramo das telecomunicações, informática, energia e transportes. Entre as principais atrações destaca-se o Sixth Floor Museum, dedicado à memória do presidente Kennedy, assassinado em Dallas em 1963.

Vídeo: Texas State Fair


Dallas: Texas State Fair / Big Tex

Outras atrações de Dallas são o Dallas Museum of Art, e a sempre popular State Fair of Texas, cujo ícone é Big Tex, o caubói gigante da imagem acima, de gosto meio duvidoso. Big Tex tem 15 m de altura e surgiu em 1952. Pegou fogo há pouco tempo, mas uma nova versão está sendo construída no mesmo local, que como as outras, .

Ele gesticula, fala, fornece informações sobre a feira e tem a roupa de caubói trocada de tempos em tempos. A feira vale ser visitada principalmente aos domingos, quando está mais animada. Ao chegar lá não esqueça de conhecer o Dallas Aquarium, o estádio Cotton Bow, andar nos brinquedos, curtir apresentações de canto e dança e conhecer pratos típicos da comida texana. 

Se for apresentado a um texano e quiser cumprimentá-lo de maneira informal, como faz o pessoal daqui, diga: Howdy? A expressão é a abreviação texana para 'How do Ye', que por sua vez deriva do conhecido How do you do?


Fort Stockton: Paisano Pete

Uma das mais famosas e reconhecidas especialidades americanas é saber como criar atrativos onde originalmente não existe nada para se ver. Assim fez Fort Stockton, cidadezinha perdida no meio do deserto, junto à Interstate 10, que criou um monumento responsável por atrair muita gente até lá. O monumento foi batizado de Paisano Pete, homenageando todos os roadrunner do deserto. Com 6 metros de comprimento e 3 de altura, a placa da base informa que este é o maior Roadrunner do mundo. 

Vídeo: Pápa Léguas de Fort Stockton

O roadrunner (conhecido no Brasil como papa-léguas), eternizado nos desenhos da tv por aquele pássaro engraçado sempre fugindo do coiote, é uma ave nativa desta região, e sua rapidez e esperteza tornaram-se simbólicas no Texas. Atravessando o deserto vimos estas aves do tamanho de um frango correndo de um lado para outro à beira da estrada, e elas são mesmo tão rápidas quanto engraçadas. 

 

Paramos nesta localidade numa tarde quente de domingo, quando percorríamos a estrada em direção oeste. Neste dia o calor era tanto e a estrada tão monótona que, correndo o risco de adormecer ao volante ou morrer de tédio, concluímos que uma paradinha seria bem vinda. A próxima saída da estrada indicava o acesso a uma localidade de nome estranho, que lembrava algum produto químico: Ozona. Depois de dar algumas voltas pela cidade completamente deserta naquele domingo conseguimos achar uma pizzaria aberta e fomos até lá. No local havia somente um rapaz de seus 17 anos, desempenhando as funções de caixa, garçom, telefonista e entregador de pizza.


Ozona

Depois de trazer nosso pedido (um copão de coca cola, como sempre transbordando de gelo picado), ele tirou uma pizza do forno, colocou numa caixa, e sem dizer nada entrou em seu carro - estacionado em frente - e foi pessoalmente entregá-la, nos deixando completamente sozinhos no restaurante.

Cerca de dez minutos depois ele voltou, estacionou calmamente, entrou na pizzaria e veio até nós perguntar se queríamos mais alguma coisa, ao que agradecemos dizendo que a coca gelada já tinha nos refrescado o suficiente para seguir a viagem. Ele não sabia, mas na verdade já tinha nos dado algo mais: Uma ótima demonstração de como a vida em Ozona era tranqüila. Na imagem acima o monumento construído em homenagem a Davy Crocket, situado no centro de Ozona.

 


Fredericksburg

Outra localidade que acabamos visitamos ao acaso foi Fredericksburg. Ao passar por aqui nos chamou a atenção a arquitetura dos prédios, nitidamente diferente de tudo que já tínhamos visto no Texas. Eram prédios comerciais e residenciais e igrejas que pareciam lembrar o norte da Europa. Também em muitos deles víamos faixas, flores, decorações diversas junto à inscrições em alemão, dando a todo o conjunto um ar de alegre comemoração.

Foi somente depois de alguém tempo percorrendo suas ruas que descobrimos que Fredericksburg é uma colônia alemã, e teve o nome escolhido em homenagem ao príncipe Friedrich Wilhelm Ludwig, da Prússia. Valem a pena ser visitadas aqui a Vereins Kirche (igreja do povo), John Peter Tatsch House e Kammlah House. Não deixe de saborear também algumas gostosuras texo-alemãs (picles, lingüiças diversas e os famosos dumplings (bolinhos com recheios diversos, fritos ou assados). 

Curiosidade gastronômica texana: Come-se muito feijão no Texas, de todas as formas (cozido, amassado, fervido) e de várias cores, principalmente como acompanhamento de churrascos. Outra preferência local é Frango Frito, e restaurantes ao estilo Kentucky Fried Chicken existem às centenas por aqui. Entre os vegetais, nenhum bate o Quiabo em popularidade. E entre as bebidas, Ice Tea é mais pedida como acompanhamento de qualquer refeição.

Um típico café da manhã texano inclui sempre alguma combinação de muffins (bolinhos) com geléia ou mel. Carne não pode faltar (de gado, costeleta de porco ou salsichas), geralmente acompanhada por ovos (mexidos ou fritos) e batatas fritas. E panquecas com syrup (calda adocicada) também são uma pedida certa.

Já no almoço a pedida mais freqüente inclui frango frito, costeletas de porco, milho, tomates, quiabo, arroz manteiga, ervilhas, couve-flor, acompanhadas de Hot Biscuits ou Cornbread (deliciosos pãezinhos - peça os dois), muito gravy (molho espesso), e de sobremesa sorvete com torta de nozes pecan.

Tão freqüente no Texas é a influência da comida mexicana que ela ganhou até um nome específico: Tex-Mex Food. Churrascos (Barbecue ou BBQ para os íntimos) também são encontrados em todo lugar, mas não espere encontrar nada semelhante ou tão saboroso como aqueles do Uruguai, Argentina ou mesmo do Brasil, principalmente quanto aos acompanhamentos e molhos, os quais podem causar uma certa estranheza para quem não acostumados aos costumes texanos.

 

Houston é a quarta maior cidade americana, e está no Texas como poderia estar situada igualmente em New York ou na California. É uma cidade rica, graças ao petróleo que jaz em abundância no subsolo texano. É um lugar grande, verticalizado, de trânsito intenso, trevos rodoviários monumentais e que consegue logo passar a impressão de ser completamente desumanizada. Visite San Jacinto Battleground (onde ocorreu a batalha histórica que deu ao Texas sua independência), San Jacinto Museum, Traders Village (aos sábados e domingos, uma super feira onde se encontra praticamente de tudo), Natural History Museum, Astrodome (complexo esportivo, ideal para assistir um jogo de baseball), Orange Show (espaço a céu aberto, com diversas atrações criativas) e o Hermann Park.


Houston

Ao sul de Houston (42 km) ela vale a pena passar uma tarde no Space Center Houston (veja descrição mais abaixo). E para compras, Houston é dotada de excelente shoppings e malls, como Deerbrook Mall, Memorial City Mall, Willowbrook Mall e o enorme Houston Galleria

San Jacinto foi o nome de uma batalha ocorrida em 1836, onde hoje situa-se o parque de mesmo nome, em que as tropas do general americano Sam Houston derrotaram as tropas mexicanas lideradas por Antonio López de Santa Anna. Após o combate, Santa Ana (então presidente do México) foi capturado pelos americanos e permaneceu prisioneiro por três semanas, ao fim das quais aceitou assinar um tratado de paz e determinou que suas tropas abandonassem em definitivo o território do Texas. Logo após seria proclamada a independência da República do Texas, nação que permaneceu independente de 1836 até 1846, quando se uniu aos Estados Unidos.

Sam Houston, comandante das tropas americanas na batalha de San Jacinto, foi posteriormente homenageado dando seu nome à maior cidade do Texas. Ele foi ainda o primeiro presidente do Texas e mais tarde senador americano.

Video: Houston vista do alto do Morgan Chase Tower

 


Amarillo

Contrastando com Houston está a pequena Amarillo, bem ao norte do estado. No passado a cidade era conhecida como a Flor Amarela do Texas, o que acabou servindo para lhe dar o nome atual (amarillo é amarelo em espanhol). Situada na região conhecida como Great Plains, o lugar é famoso como uma das áreas de menor índice populacional do país e também por ser a porta de entrada do Palo Duro Canyon.

Amarillo é um lugar tranqüilo e espaçoso, bem no centro de uma das regiões mais inóspitas do Texas, e uma manhã é suficiente para se percorrer toda a cidade. Entre as poucas atrações locais, vale visitar o American Quarter Horse Heritage Center & Museum, com exposições interativas, fotos e diversas curiosidades sobre esta raça de cavalos típica do Texas. Outro local popular na cidade é o Don Harrington Discovery Center, conjunto de parque, aquário, planetário e outras atrações.

Ao lado, um foto que fizemos em frente ao Amarillo National Bank, um dos poucos prédios altos da cidade.

Na entrada este de Amarillo chamou nossa atenção a imagem surreal de um imensa área cercada, onde estavam estacionados diversos aviões comerciais, inclusive gigantescos 747 e DC10s, enfileirados lado a lado em silêncio, aposentados e sem voar, pois as companhias aéreas não tinham mais interesse neles. Ao chegar no hotel perguntamos a razão daquele cemitério de aviões aparentemente perfeitos e o recepcionista nos informou que eles estavam lá porque a umidade do ar é mínima , fazendo de Amarillo o depósito ideal para que equipamentos sejam guardados ao ar livre sem sofrer os efeitos da ferrugem. 

 

Durante o período da conquista do oeste o Texas ficou famoso como uma terra de aventureiros, onde a lei nem sempre era seguida à risca. Foi a própria indústria cinematográfica de Hollywood que glamurizou este aspecto pouco atraente da época, onde cidades construídas no meio de lugar algum eram cortadas por ruas empoeiradas e freqüentadas habitualmente por bandoleiros e xerifes, onde todo mundo andava a cavalo e a última palavra geralmente era dada por quem sacava mais rápido sua arma. 

É comum encontrar, não só no Texas mas também em outros estados, reproduções de típicas cidades daquela época, onde geralmente nos fins de semana são apresentados shows, artistas realizam duelos na ruas, bandidos chegam a cavalo para assaltar o banco etc. Foi numa destas localidades (que já fechou) que fizemos a foto ao lado, ao estilo Jesse James e Calamity Jane, que acabou se transformando numa das recordações mais divertidas de nossa visita ao Texas

O tempo mudou, o Texas não é mais o mesmo, mas a época da conquista continua sendo vista com um certo romantismo até mesmo orgulho por muita gente, pois é associada ao crescimento do país, à coragem, à não aceitação de limites e à eterna procura pela expansão territorial e aumento de riquezas. É bem verdade que estas conquistas levaram também ao massacre e extermínio de centenas de milhares de indígenas (sempre apresentados nos filmes americanos como sanguinários e violentos) e mexicanos (sempre traiçoeiros e perigosos), enquanto os heróis da história eram sempre simpáticos, de bom caráter e (surpresa) falavam inglês...

Curiosidade estadual: Seis bandeiras já tremularam sobre o Texas, conforme passava o tempo e mudavam os donos da região. Foram bandeiras da Espanha (1519 a 1685 e 1690 a 1821), França (1685 a 1690), México (1821 a 1836), República do Texas (1836 a 1845), Estados Unidos (a partir de 1845) e Estados Confederados do Sul (1861 a 1865, período da Guerra Civil Americana).

Como decorrência destas seis bandeiras a expressão Six Flags acabou se tornando muito conhecida no Texas e até mesmo fora dele e é muito utilizada em shoppings, lojas e parques temáticos. Ainda hoje no brasão do Texas consta a expressão Six Flags.

 

Houston, we don´t have a problem!

Quarenta quilômetros ao sul de Houston vale a pena passar um tarde no Space Center Houston, onde a gente pode se sentir meio astronauta. O local abriga diversas instalações da NASA, de pesquisa e controle espacial, e também um centro turístico. Lá pode-se embarcar num passeio de trenzinho e visitar diversos trechos das instalações do complexo, inclusive centros de controle, galpões de montagem manutenção e ver de perto alguns foguetes utilizados pela agencia espacial no passando, inclusive o gigantesco Saturno que conduziu as espaço os astronautas do projeto Apollo, primeiros homens a chegar na lua, em 20 de julho de 1969, a bordo da Apollo 11. No Visitors Center é possível ainda assistir a uma infinidade de atrações interativas relacionadas à conquista espacial, e claro, fazer uma foto com a roupa espacial usada por astronautas. 

Curiosidade astronáutica: O projeto Apollo tinha como objetivo levar homens à superfície da lua. O programa foi lançado em 1961, durou doze anos e foi um sucesso, estabelecendo uma série de conquistas e recordes nunca antes vistos. A missão Apollo 17 (1972) foi a derradeira, quando dois homens caminharam na superfície da lua pela última vez. O momento mais dramático de todo projeto Apollo ocorreu em 13 de abril de 1970, quando um dos módulos da Apollo 13 sofreu uma explosão no espaço, fazendo a missão ser abortada e obrigando os três astronautas a retornar à terra, com sua vida em risco. O episódio virou um filme de sucesso, estrelado por Tom Hanks.

Entrou para a história também a frase simples e dramática, enviada pelo astronauta John Swigert ao controle espacial de Houston, após a explosão ocorrida no módulo de serviço da Apollo 13: Houston, we have a problem (Houston, nós temos um problema).

 

Conhecido como Lonely Star State (estado da estrela solitária), porque em sua bandeira há somente uma estrela, por quatro vezes estivemos no Texas, e cada visita nos forneceu uma nova visão sobre esta região do país. Encontramos descendentes indígenas sobrevivendo do artesanato, cowboys vestidos a caráter, milionários do petróleo entrando em suas limosines, e gordas senhoras enchendo carrinhos de compras no Tom Thumb. Vimos majestosas sedes de multinacionais do petróleo, milhares de quilômetros de impecáveis rodovias, impressionantes trevos rodoviários e estradas perdidas no meio do deserto. Gente de todo o tipo, mas em comum praticamente todos tinham orgulho de ser do Texas. E alguns até mesmo diziam, com um sorriso no rosto: Este é o centro do país, o estado mais importante, rico e bonito e onde se preparam os melhores churrascos da America.


Estrada do Interior do Texas

 

A música desta página é Deep in the Heart of Texas, tradicional canção Texana. Para interromper sua execução tecle ESC.

 

The stars at night,
Are big and bright,
Deep in the heart of Texas,
The prairie sky
Is wide and high,
Deep in the heart of Texas.
The sage in bloom
Is like perfume,
Deep in the heart of Texas,
Reminds me of,
The one I love,
Deep in the heart of Texas

The coyotes wail,
Along the trail,
Deep in the heart of Texas,
The rabbits rush,
Aroung the brush,
Deep in the heart of Texas.
The cowboys cry,
"Ki-yip-pee-yi,"
Deep in the heart of Texas,
The dogies bawl,
And bawl and bawl,
Deep in the heart of Texas


Bandeira do Texas