Inicio
Akershus
Amboise
Angers
Arundel
Audley End
Azay le Rideau
Bamburgh
Beaumaris
Blackness
Blenheim
Blois
Bodiam
Budavari
Caernarfon
Caerphilly
Cardiff
Carlisle
Chambord
Charlottenburg
Chantilly
Chenonceau
Chepstow
Cliffords
Conciergerie
Conwy
Criccieth
Doune
Dover
Edinburgh
Ewloe
Fontainebleau
Frederiksborg
Glamis
Hampt Court
Harlech
Hatfield
Heidelberg
Hever
Hohenschwagau
Langeais
Leeds
Linlithgow
London Tower
Neuschwanstein
Newcastle
Norwich
Nottingham
Nymphenburg
Pena
Penshurst
Pierrefonds
Prazsky
São Jorge
Schonbrunn
Scone
Southsea
Stirling
Tonbridge
Urquhart
Versalhes
Villandry
Vincennes
Warwick
Wilanow
Windsor

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


Fachada principal de Chambord

No dia em que visitamos Chambord saímos de Paris bem cedo, num carro alugado. Quase nos perdemos para encontrar o acesso à auto estrada, pegamos um nevoeiro pelo caminho, entramos na saída errada, as informações do mapa não conferiam com as placas do caminho... coisas de marinheiros de primeira viagem. Mas finalmente chegamos lá, embora levando o dobro do tempo previsto. Mesmo assim, ao fazermos uma curva na estrada e vermos, ao longe, as torres de Chambord, as sensação foi inesquecível. Em nossas viagens pela Europa, Chambord foi o primeiro castelo que visitamos. Dizem que o primeiro castelo nunca se esquece, mas mesmo que este tivesse sido o segundo, o décimo ou vigésimo, não faria qualquer diferença. Chambord é inesquecível de qualquer maneira, para qualquer um que tenha a sorte de visitá-lo.

   

Maior e mais famoso dentre todos os castelos da região junto ao rio Loire, o castelo de Chambord é também um dos mais belos exemplos do estilo característico dos prédios da renascença. Ele costumava ser descrito pelo poeta Vigny como 'O Castelo Mágico', e isto é compreensível quando vemos seus números e os dados relacionados à sua construção.

Para erguer Chambord foram necessários mil e oitocentos homens, trabalhando durante vários anos. O terreno do palácio, incluindo os bosques à sua volta, cobrem uma área de cinco mil e quinhentos hectares, e o prédio mede aproximadamente cento e sessenta metros de comprimento por cento e vinte metros de largura. Ao todo são quatrocentos e quarenta aposentos, quatorze grandes escadarias, setenta escadas menores, e trazenteas e sessenta e cinco lareiras. Como se não fosse suficiente, Chambord ainda teve seu projeto elaborado em parte por Leonardo da Vinci. 

O local já era um ponto freqüentado pelos nobres devido à boa caça existente nas florestas daquela região. Foi quando o rei François I teve a idéia de construir um palácio suntuoso, à altura de sua grandiosidade e reinado. As obras começaram em 1519, e vinte anos após, a maior parte já estava concluída.


Sacada de pátio interno

 


Sacada lateral

Lá o rei podia receber convidados e impressioná-los com a grandeza de Chambord. François I providenciou ainda que as iniciais de seu nome, F I, fossem gravadas em diversos pontos do castelo, tetos, paredes e torres. Mas o rei morreu em 1547, antes de ver sua obra concluída. Seus sucessores, Henri II e Charles IX deram continuidade à obra, mas outros no entanto, como Henri III e IV preferiram ficar em Paris, e não deram muita importância ao castelo.

Foi Luiz 13 quem voltou a se interessar por Chambord, esteve lá várias vezes, e resolveu transferir a propriedade para seu irmão, Gaston d'Orleans, que não era bem vindo na corte de Paris. Anos mais tarde, quando a realeza foi deposta durante a revolução Francesa, o castelo foi visto como um símbolo da odiada monarquia, por isso foi invadido, e teve sua mobília toda removida.

Com o tempo, Chambord pertenceu a diversos outros proprietários, e chegou a um estado precário de conservação. Em 1930 o governo decidiu comprar a propriedade e deu inicio a um programa quase artesanal de restauração do prédio e reposição de mobiliário. Hoje em dia, ao visitar Chambord encontramos um palácio totalmente preservado, com salões adornados, móveis de época, candelabros, tapeçarias, galeria de quadros, troféus, animais de caça empalhados, e uma imensa variedade de itens relacionados ao lugar e sua história.

Site oficial: Château de Chambord

Merecem destaque os apartamentos reais, galerias, escadarias e labirintos diversos dentro do castelo, assim como a capela real, e as sacadas superiores, com uma vista fantástica para os bosques em volta. Outro ponto famoso é sua engenhosa escadaria dupla central, projetada de forma que duas pessoas, podem subir e descer sem se encontrarem no trajeto. Vale a pena também observar os tetos decorados com a salamandra, símbolo do rei François I, e suas iniciais gravadas em todo lugar.


Fachada principal

Vídeo: Visitando Chambord


Vista aérea de Chambord

Como o número de visitantes ao chateau é muito grande, existe também uma estrutura completa de atendimento, com restaurante, lojinhas e outros serviços. Quem tiver pouco tempo disponível para visitar os castelos do Loire, e precisar escolher apenas um, este será, sem dúvida, a opção certa. Chambord fica a pouco mais de uma hora de carro de Paris. Para chegar lá siga para o sul pela autoroute A10, e pouco depois da cidade de Orleans pegue a saída 16, para a cidadezinha de Mer. Depois siga a estrada D112 e você chega direto no chateau. Se preferir, existem diversas excursões de ônibus saindo de Paris, que incluem Chambord em seus roteiros. 

 

 

Todas as músicas de Castelos e Palácios são reproduções de autênticas canções medievais ou renascentista .
Para interromper a execução pressione a tecla ESC.