Inicio
Akershus
Amboise
Angers
Arundel
Audley End
Azay le Rideau
Bamburgh
Beaumaris
Blackness
Blenheim
Blois
Bodiam
Budavari
Caernarfon
Caerphilly
Cardiff
Carlisle
Chambord
Charlottenburg
Chantilly
Chenonceau
Chepstow
Cliffords
Conciergerie
Conwy
Criccieth
Doune
Dover
Edinburgh
Ewloe
Fontainebleau
Frederiksborg
Glamis
Hampt Court
Harlech
Hatfield
Heidelberg
Hever
Hohenschwagau
Langeais
Leeds
Linlithgow
London Tower
Neuschwanstein
Newcastle
Norwich
Nottingham
Nymphenburg
Pena
Penshurst
Pierrefonds
Prazsky
São Jorge
Schonbrunn
Scone
Southsea
Stirling
Tonbridge
Urquhart
Versalhes
Villandry
Vincennes
Warwick
Wilanow
Windsor

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Assim como tanto outros castelos ingleses, a história de Tonbridge também começa em 1066, ano da invasão de William o Conquistador. Entre os principais colaboradores de William estava Richard Fitzgilbert. Em reconhecimento por seus serviços ele foi presenteado com as terras de Tonbridge.

A primeira providência de Richard foi construir uma fortificação no local, ainda tosca, de madeira, com paredes revestidas de barro, e rodeadas por uma cerca de estacas. No interior ficavam sua residência e os estábulos. Como se pode deduzir, castelo não era o nome mais apropriado para sua obra.

Se a habilidade de construir castelos não era seu forte, sua habilidade política era ainda menor. Vinte anos após a invasão, Richard e seu filho Gilbert, cometeram a bobagem de aderir a um levante contra o rei William. É claro que foram derrotados, e este foi o ponto final da primeira versão do castelo de Tonbridge, pois William o destruiu completamente.

   

A fúria de William contra seus traidores, no entanto, não foi tão devastadora, e ele permitiu que as terras de Tonbridge continuassem com os descendentes de Richard Fitzgilbert, os quais providenciaram a construção de outra fortaleza, mas desta vez com pedras.

No início dos anos 1200 esta construção já dispunha de um Gatehouse (um portão de acesso fortificado), com fama de ser um dos mais eficientes da Inglaterra. Esta fama era justificada, como podermos constatar, pois hoje em dia, exatamente este Gatehouse é um dos poucos trechos do castelo que conseguiu continuar perfeitamente conservado através dos séculos. Um levantamento efetuado em 1521 já apontava o castelo de Tonbridge como um dos melhores da Inglaterra.

O estilo do castelo, e principalmente do Gatehouse, deve-se, à influência do rei Edward I, pois alguns anos antes, em 1272 ele foi hóspede dos Fitzgilbert, e provavelmente deu algumas sugestões para sua construção. Não por acaso o estilo da torre é quase idêntico à existente no castelo de Caerphilly, no País de Gales.

Uma das famílias mais influentes a controlar Tonbridge foram os de Clare, famosos por suas qualidades como guerreiros durante a idade média. Como é fácil supor, o tempo médio de vida não era muito longo na época. Quem conseguisse viver até os 40 anos já era considerado com muita sorte. Não apenas devido às constantes e sangrentas batalhas entre lordes, senhores feudais e barões, que quase sempre mudavam de aliados e inimigos, mas também devido às precárias, quase inexistentes, condições de saúde da época medieval.

O primeiro descendente da família Richard morreu na Normandia, seu neto foi morto em batalhas no País de Gales, e o último descendente morreu na batalha de Bannockburn. Com o fim dos Bannockburn, o castelo de Tonbridge passou a ser propriedade da família Stafford. No entanto, eles não chegaram a ocupar a fortaleza durante muito tempo. Intrigas políticas levaram à execução de seu proprietário, a mando do rei Ricardo III, e do mais novo dos Stafford, a mando de Henrique VIII. Durante séculos, o castelo trocou de mãos diversas vezes, sempre no centro de conflitos políticos e militares, o que causou grandes danos à sua estrutura.

Após a guerra civil não havia qualquer interesse em preservar esta parte da memória do país, e a maior parte de Tonbridge foi destruída. Sobraram apenas as torres de entrada. Em 1738, a sorte do castelo é praticamente selada por John Hooker. Desinteressado em manter a propriedade ou gastar dinheiro com sua recuperação, ele dá início à venda das pedras de Tonbridge, para que pudessem ser utilizadas na construção de residências. Começa então um processo irreversível de destruição sistemática de suas torres e muralhas. Atualmente pouca coisa resta do castelo original. Apenas a fachada principal, justamente seu trecho mais famoso, o Gatehouse, está intacto, assim como poucos outros trechos anexos.

 

O castelo chegou ainda a ser utilizado como academia militar e escola, até que a propriedade fosse adquirida pela prefeitura. A obtenção de fundos para reconstrução de Tonbridge tem sido difícil, mas mesmo assim foram executadas algumas reformas no primeiro andar, térreo da Gatehouse, e na escadaria da torre sudeste.

Tonbridge fica no centro de uma bela área ajardinada, cercada de verdes gramados. Para quem procura grandes castelos, a visita ao castelo pode ser um pouco frustrante, já que da construção original, hoje resta apenas sua parte frontal. Veja a foto aérea ao lado mostrando a área onde se situava a construção original. Quase nada resta, e o trecho gramado central corresponde ao local onde se erguia o castelo. Somente uma das muralhas e um grande portal sobreviveram ao tempo, e eles podem ser vistos na parte superior da fotografia.

 

Mesmo assim, quem estiver passeando pelo sul da Inglaterra, não deve perder a oportunidade de conhecer este local, que em dias especiais conta com apresentações multimídia em várias línguas, onde a história do castelo é contada. Durante o verão há shows de música em seus jardins. 

Tonbridge é também muito usado agora como um dos melhores locais para cerimônias e festas de casamento, sem dúvida um evento romântico mais adequado ao cenário, e muito mais agradável que as antigas e sangrentas batalhas que aqui aconteceram entre tantos cavaleiros medievais.

 

 

Todas as músicas de Castelos e Palácios são reproduções de autênticas canções medievais ou renascentistas.
Para interromper a execução pressione a tecla ESC.