Inicio
Akershus
Amboise
Angers
Arundel
Audley End
Azay le Rideau
Bamburgh
Beaumaris
Blackness
Blenheim
Blois
Bodiam
Budavari
Caernarfon
Caerphilly
Cardiff
Carlisle
Chambord
Charlottenburg
Chantilly
Chenonceau
Chepstow
Cliffords
Conciergerie
Conwy
Criccieth
Doune
Dover
Edinburgh
Ewloe
Fontainebleau
Frederiksborg
Glamis
Hampt Court
Harlech
Hatfield
Heidelberg
Hever
Hohenschwagau
Langeais
Leeds
Linlithgow
London Tower
Neuschwanstein
Newcastle
Norwich
Nottingham
Nymphenburg
Pena
Penshurst
Pierrefonds
Prazsky
São Jorge
Schonbrunn
Scone
Southsea
Stirling
Tonbridge
Urquhart
Versalhes
Villandry
Vincennes
Warwick
Wilanow
Windsor

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


Fachada principal de Fontainebleau

A história de Fontainebleau vem desde o século XII, e a origem do nome tem origem na expressão fontaine belle eau - Fonte da Bela Água. Ao que consta, devido às propriedades das águas de uma nascente que existia ali, São Luiz teria ordenado a construção de um mosteiro naquele local. Entre 1380 e 1422 Charles VI, acrescentou novas fortificações ao já existente, fazendo com que ele se tornasse uma importante fortaleza, com quatro torres.

   

François I, o monarca construtor de Chambord, também se impressionou muito com o local, e, em 1527, ordenou que fossem demolidas as estruturas mais pesadas e antigas, para que fossem construídas outras mais elaboradas, a altura da corte, e seguindo o padrão do modelo renascentista.

Embora no início ele pretendesse manter os prédios originais, à medida que a obra caminhava, eles foram sendo demolidos, para permitir a construção de novos aposentos, galerias, jardins e lagos. Em pouco tempo Fontainebleau já tinha o aspecto de residência real, com vários prédios, jardins, e muitas alas interligadas. Sua grandeza e luxo haviam se tornado conhecidos em toda Europa.

Na época dizia-se que grandes palácios eram o símbolo de grandes nações, e o rei Henri IV não poupou gastos para aumentar ainda mais a propriedade, fazendo dela sua residência preferida, e demonstrando grande prazer em exibir para os visitantes a exuberância daquela mais nova jóia da coroa. Era sua intenção até mesmo construir uma capela que superasse o esplendor da Capela Sistina existente no Vaticano.

 


Jardins situados nos fundos do palácio

Mas cada rei tinha sua forma de pensar, e seus sucessores não demonstraram tanto interesse assim, pelas idéias de Henri IV. Luiz XIII preferiu viver em Saint German e Luiz XIV demonstrou mais interesse por Versalhes. Foi apenas com Luiz XV que Fontainebleau, voltou a cair nas graças da coroa, e durante seu reinado foram contratados arquitetos e pintores para embelezar ainda mais o palácio.

Mas cada rei tinha sua forma de pensar, e seus sucessores não demonstraram tanto interesse assim, pelas idéias de Henri IV. Luiz XIII preferiu viver em Saint German e Luiz XIV demonstrou mais interesse por Versalhes. Foi apenas com Luiz XV que Fontainebleau, voltou a cair nas graças da coroa, e durante seu reinado foram contratados arquitetos e pintores para embelezar ainda mais o palácio.

 

 

Durante a revolução francesa, grande parte das obras de arte foi removida, mas o palácio propriamente dito, foi preservado. Alguns anos mais tarde, seria a vez de Napoleão se apaixonar por Fontainebleau, a tal ponto que decidiu tomar posse dele, e voltou a transformá-lo numa residência luxuosa. Sua ligação com o palácio foi tão intensa, que até hoje Fontainebleau é lembrado principalmente como o palácio onde, durante muitos anos, morou o famoso general e imperador Francês.

Um dos pontos diferentes neste palácio é sua arquitetura. Ao contrário de tantos outros, aqui aparentemente não foi seguida nenhuma geometria ou lógica na construção do conjunto de prédios que formam a propriedade.

Vídeo: Fontainebleau


Vista aérea de Fontainebleau

Vendo o conjunto de cima, tem-se a impressão que eles foram sendo ligados um ao outro sem qualquer planejamento. No entanto, esta assimetria, dos prédios, somada aos seus elaborados parques e jardins, tornou-se justamente uma das marcas registradas da genialidade de Fontainebleau.

A cidade de Fontainebleau fica apenas 65 quilômetros ao sul de Paris e para chegar ao palácio basta seguir pela estrada A6 ou N7. Quem não estiver de carro também pode ir até lá de trem, pois há diversos horários ligando Paris à Fontainebleau.

 

 

Todas as músicas de Castelos e Palácios são reproduções de autênticas canções medievais ou renascentista .
Para interromper a execução pressione a tecla ESC.