Inicio
Akershus
Amboise
Angers
Arundel
Audley End
Azay le Rideau
Bamburgh
Beaumaris
Blackness
Blenheim
Blois
Bodiam
Budavari
Caernarfon
Caerphilly
Cardiff
Carlisle
Chambord
Charlottenburg
Chantilly
Chenonceau
Chepstow
Cliffords
Conciergerie
Conwy
Criccieth
Doune
Dover
Edinburgh
Ewloe
Fontainebleau
Frederiksborg
Glamis
Hampt Court
Harlech
Hatfield
Heidelberg
Hever
Hohenschwagau
Langeais
Leeds
Linlithgow
London Tower
Neuschwanstein
Newcastle
Norwich
Nottingham
Nymphenburg
Pena
Penshurst
Pierrefonds
Prazsky
São Jorge
Schonbrunn
Scone
Southsea
Stirling
Tonbridge
Urquhart
Versalhes
Villandry
Vincennes
Warwick
Wilanow
Windsor

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


Entrada principal de Hampton Court

Dentre todos os palácios que serviram à corte inglesa, Hampton Court está entre os mais famosos, e seu status é semelhante ao de um Versalhes à moda inglesa. Sua origem remonta ao ano de 1113, quando foi fundada naquele local, em uma pequena construção, a ordem de cavaleiros St John of Jerusalem, destinada a proteger aquelas terras de invasões turcas.

No século XV a ordem de Saint John já era bem rica, e a construção inicial havia sido aumentada, a ponto de chamar atenção de alguns nobres. Em 1505 a ordem vendeu o imóvel, e foi o Cardeal Wolsey, principal ministro do rei Henrique VIII, que começou a transformar o local num verdadeiro palácio real.

   

Quando morreu, Henrique VIII possuía mais de sessenta palácios, sendo que apenas alguns, inclusive Hampton Court eram capazes de abrigar as mais de mil pessoas da corte. Só as cozinhas de Hampton Court ocupavam mais de cinquenta peças do palácio, distribuídas numa área de trezentos metros quadrados, e em sua época áurea, ali trabalharam duzentas pessoas. Os maiores sinais da riqueza do palácio, no entanto, estão nos aposentos conhecidos como Henry's Great Watching Chamber, Wolsey Closet e em sua capela.

Durante estes quinhentos anos o palácio foi diversas vezes ampliado, parcialmente demolido ou modificado, por vários monarcas. Foi a rainha Victoria quem, em 1838, decidiu abrir o local ao público, e graças a ela, Hampton Court tornou-se, além da torre de Londres, praticamente uma visita obrigatória de quem vai àquela cidade. Como de hábito, Hampton Court também tem os seus jardins, vinhedos, fontes, alas floridas e labirinto de cercas vivas, totalizando sessenta acres.

Após a visita, não deixe de passar na lancheria (instalada numa das peças que formavam a cozinha do palácio), e pedir um chá com scones. O ambiente é ótimo, e a cozinha continua deliciosa. Experimente os famosos scones com jam ou clotted cream, acompanhados de chá ou chocolate quente. A torta de chocolate servida aqui também estava uma delícia.


 


Pátio interno de Hampton Court

É comum encontrar no palácio músicos vestidos com roupas tradicionais da época, executando canções típicas em instrumentos típicos daquela era, sendo que alguns deles nunca tínhamos visto antes.  

Hampton Court é quase uma pequena cidade, e nela pode-se ver ainda diversos aposentos reais, jardins, adegas, cozinhas, áreas de apoio, e residências dos serviçais. A imagem acima é de um corredor que interliga as cozinhas e áreas dos serventes do palácio, e permanece perfeitamente conservada até hoje.

Site: Hampton Court

Hampton Court está situado a sudoeste de Londres, às margens do rio Thames, no subúrbio de Kingston upon Thames. Se estiver de carro, siga na direção da ponte de Battersea e depois pela A3 rumo oeste. Um pouco adiante pegue a A308 e você chegará ao palácio. Se preferir, também é possível ir de trem, com embarque na estação Waterloo, ou de metrô até bem próxmio de lá, e depois complementando o roteiro de ônibus..

Assim como quem visita Paris não pode deixar de conhecer Versalhes, quem vai a Londres não pode deixar de conhecer Hampton Court.


Fachada de Hampton Court

 

Todas as músicas de Castelos e Palácios são reproduções de autênticas canções medievais ou renascentista .
Para interromper a execução pressione a tecla ESC.